Keiko Fujimori busca apoio de rivais e jovens para segundo turno

Keiko Fujimori, que passou ao segundo turno na eleição presidencial do Peru, disse na terça-feira que buscará apoio dos candidatos que ficaram pelo caminho e pretende também conquistar o voto dos jovens que apoiaram o economista Pedro Pablo Kuczynski.

REUTERS

12 de abril de 2011 | 21h02

Keiko, bem recebida pelos mercados, e seu rival, o nacionalista Ollanta Humala, que com um discurso mais moderado ainda desperta dúvidas entre os investidores, começaram a dar suas cartadas para o segundo turno de 5 de junho.

"Espero ter a possibilidade de falar com o senhor Pedro Pablo Kuczynski e que nossa proposta, nosso plano de governo, sobretudo seja ouvido pelos simpatizantes, pelos jovens que votaram e apoiam Kuczynski", afirmou a filha do ex-presidente Alberto Fujimori.

Kuczynski, ex-ministro da Economia, ficou perto de disputar o segundo turno devido ao grande eleitorado entre a juventude.

Segundo analistas, tanto Humala como Keiko deverão seduzir os eleitores de centro e garantir que manterão o bom momento econômico, mas com uma inclusão social maior, se quiserem chegar à Presidência.

Eles também deverão assegurar aos eleitores que respeitarão a democracia no Peru, um dos países que mais cresce no mundo, porém onde um terço da população ainda vive na pobreza.

Analistas dizem que aqueles que votaram em Kuczynski, no ex-presidente Alejandro Toledo e no ex-prefeito de Lima Luis Castañeda terão dificuldade em escolher entre Humala e Keiko Fujimori. Ambos têm seu colchão eleitoral em regiões mais pobres do país e são os que mais polarizam a população.

(Reportagem de Patricia Vélez)

Tudo o que sabemos sobre:
PERUKEIKORIVAIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.