Kirchner ajudou a superar barreiras entre Argentina e Brasil, diz Lula

Presidente brasileiro afirma que países são rivais no futebol e aliados na política e economia

EFE,

29 de outubro de 2010 | 04h31

BUENOS AIRES - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira, 28, em Buenos Aires, antes de partir de volta ao Brasil, que o falecido ex-líder argentino Néstor Kirchner ajudou a superar "muitas barreiras" bilaterais.

 

Veja também:

video Vídeo: Ariel Palácios comenta morte de Kirchner

lista Análise: Sucessão de Cristina se torna imprevisível

especialEspecial: A trajetória política do ex-presidente

mais imagens Galeria de fotos: Argentina em luto

lista Perfil: de líder estudantil à presidência da Argentina

 

"Descobrimos que Argentina e Brasil não eram adversários, a não ser no futebol. Mas em política e economia andávamos juntos e vimos que tínhamos um papel fundamental na integração" da região, disse Lula no Aeroparque de Buenos Aires, após comparecer ao velório de Kirchner.

O brasileiro ressaltou que o legado "mais importante" de Kirchner foi "recuperar a auto-estima do povo argentino" durante seu mandato, entre 2003 e 2007.

 

"Vou embora triste porque Kirchner se foi. Mas vou feliz porque o povo argentino dá muito apoio à (presidente) Cristina Kirchner. A Argentina continuará brilhando em um caminho de recuperação", assinalou Lula.

 

Presidente brasileiro definiu Kirchner como alguém que, "mais que um presidente", era "um companheiro que ajudou a construir uma América Latina onde não estamos sozinhos".

 Néstor Kirchner morreu nesta quarta-feira, 27, aos 60 anos, vítima de um enfarte. Até sua morte, ele exercia os cargos de secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e de líder do Partido Justicialista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.