Arquivo/AP
Arquivo/AP

Kirchners enfrentam nova denúncia por compra de dólares

Compra de US$ 2 milhões por marido de Kirchner em 2008 poderia revelar 'manuseio de informação sigilosa'

Efe,

05 de fevereiro de 2010 | 19h44

Legisladores da União Cívica Radical, a principal força de oposição na Argentina, apresentaram nesta sexta-feira, 05, uma denúncia contra a presidente Cristina Kirchner e seu marido, Néstor Kirchner, para que seja investigada a compra de US$ 2 milhões que o ex-presidente admitiu ter feito em 2008.

 

Veja também:

linkChefe do BC argentino relativiza autonomia

linkGoverno reage a protecionismo argentino

 

A demanda foi apresentada a um juiz pelo senador José Cano e os deputados Silvana Giudici e Rubén Lanceta, informaram fontes judiciais.

 

Os legisladores radicais consideraram em sua denúncia que "a compra significativa de dólares por parte do espeso da presidente deve dar lugar a suspeitas sobre o manuseio de informação sigilosa".

 

Há dois dias, a também opositora Coalizão Cívica denunciou o casal presidencial por suposto enriquecimento ilícito, depois que Néstor admitiu que, em outubro de 2008, em plena turbulência financeira internacional, comprou US$ 2 milhões para comprar um pacote de ações em um hotel de luxo na localidade de Calafate, na Patagônia.

 

A compra se ajusta às leis argentinas, mas a oposição questiona Kirchner pela possibilidade de ter se beneficiado pelo uso de informação reservada.

 

O ex-presidente afirmou que "não existiu possibilidade de benefício cambial, já que o pagamento realizado foi na mesma moeda pela qual se efetuaram as ditas aquisições de moeda".

 

Sua esposa e sucessora também negou qualquer trâmite especulativo na compra dos dólares e considerou que o maior problema de seu marido é que vive "em branco" (dentro da legalidade) na Argentina.

 

"Se tivessem encontrado alguma conta de Kirchner nas Ilhas Caiman, mas tudo o que dizem está em sua declaração de imposto", comentou a presidente.

 

Um juiz federal indeferiu em dezembro passado uma denúncia por suposto enriquecimento ilícito contra os Kirchner, aberta depois que foi divulgado que o partimônio do casal aumentou em 158% em 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.