Líder sindical colombiano defensor de TLC com os EUA é assassinado

Germán Restrepo lutava pelas melhorias nas relações comerciais entre Bogotá e Washington

Efe

13 de agosto de 2010 | 15h21

BOGOTÁ - O dirigente sindical colombiano Luis Germán Restrepo Maldonado, reconhecido pela defesa do tratado de livre comércio firmado entre seu país e os EUA, foi assassinado a tiros na cidade de Medellín, no noroeste da Colômbia, informaram nesta sexta-feira, 13, fontes judiciais.

 

Restrepo, de 58 anos, foi assassinado na quinta à noite por um pistoleiro em uma lanchonete no centro de Medellín, segundo as autoridades. O motivo do crime ainda é desconhecido.

 

O dirigente, presidente do Sindicato dos Empacotadores, foi um dos maiores defensores do Tratado de Livro Comércio (TLC) entre a Colômbia e os EUA. O tratado foi redigido em novembro de 2006, mas ainda não foi ratificado pelo Congresso americano, que julga que Bogotá ainda deve tomar medidas pela proteção dos sindicalistas.

 

Em novembro de 2009, o então presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, condecorou Restrepo por seu trabalho na ocasião do 35º aniversário do sindicato. O ex-presidente comentou sobre o crime em sua página no Twitter e disse que Restrepo "é um exemplo de líder sindical" e que com ele "foi aberta a porta para o sindicalismo de participação".

 

Segundo o último relatório anual da Confederação Sindical Internacional (CSI), publicado em junho, 101 representantes sindicais foram assassinados em 2009, sendo quase metade deles, 48, na Colômbia.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaUribesindicalcrime

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.