Líderes cubanos exonerados renunciam a outros postos no governo

Duas ex-autoridades de Cuba -- Felipe Perez Roque e Carlos Lage -- renunciaram a outros cargos que mantinham no governo e no Partido Comunista, retirando-se da vida política com cartas dizendo ter cometido erros. Perez Roque, ex-ministro das Relações Exteriores, e Lage, ex-chefe de gabinete, que haviam sido exonerados na segunda-feira, eram vistos como os principais jovens líderes de Cuba. Mas eles caíram subitamente e suas cartas, publicadas na quinta-feira pela mídia controlada pelo Estado, completaram a queda. O presidente Raúl Castro exonerou-os na segunda-feira; em seguida, o ex-presidente Fidel Castro criticou-os publicamente por terem sido seduzidos pelo "mel do poder" para desempenharem "papéis indignos". O "inimigo externo" de Cuba "se encheu de ilusões" sobre eles, escreveu Fidel Castro, sem dar mais explicações em um artigo na terça-feira. Em sua carta, datada de terça-feira, Lage afirmou que também deixaria o cargo mais importante de vice-presidente do Conselho de Estado, o principal órgão do poder em Cuba. Ele também deixou o comitê central e o birô político do Partido Comunista, retirando-se efetivamente da vida política no Estado unipartidário. "Reconheço os erros que cometi e assumo a responsabilidade. Considero que a análise feita na reunião passada com o Birô Político (do partido) foi justa e profunda", disse Lage, de 57 anos. Perez Roque, de 43 anos, afirmou que também deixará o Conselho de Estado, a Assembléia Nacional e o comitê central do partido. "Reconheço integralmente que cometi erros que foram analisados de forma ampla em uma reunião (com o Birô Político). Eu assumo minha total responsabilidade por eles", afirmou ele na carta, também com data de terça-feira. Nenhuma das cartas especificou quais erros foram cometidos. Os dois homens foram por muito tempo os favoritos de Fidel Castro. Perez Roque já foi secretário pessoal de Fidel Castro. Lage, o arquiteto das modestas reformas econômicas do começo dos anos 1990 depois do colapso da União Soviética, era considerado por muitos um reformista econômico. Perez Roque recentemente falou sobre a possibilidade de melhorar as relações entre EUA e Cuba com a ascensão do novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Fidel Castro, de 82 anos, renunciou ao poder em razão de sua saúde precária no ano passado após governar Cuba por 49 anos. Raúl Castro, de 77 anos, foi eleito em fevereiro de 2008 pela Assembléia Nacional a fim de suceder o irmão. Raúl Castro nomeou oito novos ministros e condensou quatro ministérios em dois na segunda-feira no que o governo diz ter sido uma ação para tornar o governo mais eficiente. (Reportagem de Jeff Franks)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.