Líderes cubanos não querem normalizar relações com EUA, diz Hillary

Líderes cubanos não querem normalizar relações com EUA, diz Hillary

Para secretária, Castros não querem o fim do embargo a Cuba porque a medida enfraqueceria seus poderes

09 de abril de 2010 | 20h03

Reuters

 

WASHINGTON- O presidente cubano, Raúl Castro, e seu irmão, Fidel, não querem normalizar as relações de Cuba com os Estados Unidos e nem que Washington levante o embargo à ilha, disse nesta sexta-feira, 9, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton.

 

Veja também:

linkPrisões desumanas levam a greve de fome em Cuba, diz HRW

link Perfil: Fariñas, um filho da revolução cubana

blog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime

 

Segundo Hillary, os irmãos têm medo de que uma retomada das relações diplomáticas com os EUA enfraqueça seus poderes sobre Havana.

 

De acordo com a secretária, a resposta de Cuba à administração de Obama para aumentar a cooperação entre os dois países revelou um "regime intransigente e arraigado" que não têm interesses em uma reforma política ou no fim do isolamento econômico imposto por Washington há 48 anos.

 

"É minha crença pessoal que os Castros não querem ver um fim para o embargo e não querem ver a normalização com os Estados Unidos, porque eles iriam perder todas as suas desculpas pelo que não aconteceu em Cuba nos últimos 50 anos", disse Hillary.

 

Obama afirmou que queria retomar relações que têm sido hostis desde a Revolução Cubana de 1959.

 

Os Estados Unidos diminuíram restrições a viagens de cubanos para o país, e também a que eles enviem dinheiro dos EUA à ilha. O governo Obama também iniciou conversações com Havana sobre imigração e internet.

 

Obama, contudo, disse que o embargo será mantido até que Cuba garanta os direitos humanos e liberte presos políticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.