Líderes latino-americanos prometem respeitar forma de governo de Cuba

Líderes latino-americanos se comprometeram nesta quarta-feira a respeitar o direito de todos os países da região de escolher os seus próprios sistemas políticos, uma proclamação notável em grande parte por aceitar Cuba como a única nação de partido único no hemisfério ocidental.

Reuters

29 de janeiro de 2014 | 16h53

Cuba sedia uma reunião de cúpula de 33 países da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). Seus líderes concordaram em uma declaração "respeitar plenamente o direito inalienável de cada Estado de escolher seu sistema político".

Eles também concordaram em "não intervir, direta ou indiretamente, nos assuntos internos de qualquer outro Estado e a observar os princípios da soberania nacional".

A Celac, que exclui Estados Unidos e Canadá, foi uma ideia do falecido ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez e criada como um contrapeso à Organização dos Estados Americanos (OEA), que tem sua sede em Washington.

A segunda cúpula anual da Celac, um evento de dois dias, acaba nesta quarta-feira.

A OEA expulsou Cuba em 1962 por ser comunista e também suspendeu Honduras após um golpe que removeu o presidente do cargo em 2009.

Chanceleres da OEA votaram pelo restabelecimento de Cuba em 2009, apesar de Havana se recusar a voltar à organização. Honduras foi readmitida em 2011 depois que um novo governo eleito chegou ao poder.

(Reportagem de Daniel Trotta)

Tudo o que sabemos sobre:
CUBALATAMCELAC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.