Líderes sem-terra são presos no Paraguai

Promotoria paraguaia afirma que camponeses ameaçavam queimar produção de agricultor brasileiro no país

Agência Estado e Associated Press,

31 de outubro de 2008 | 11h52

Por ordem da Promotoria, a polícia prendeu nesta sexta-feira cinco líderes dos sem-terra no departamento (Estado) de San Pedro, no norte do Paraguai. Os detidos haviam ameaçado um incêndio em um silo de soja e desafiaram o governo com um enfrentamento armado. O promotor Alcides Corvalán, de Capiibary, 340 quilômetros ao norte da capital, informou que mandou prender perto de 300 campesinos. Segundo Corvalán, os sem-terra preparavam-se para invadir a propriedade do brasiguaio Tranquilo Favero "para queimar o silo". "Porém os campesinos se dispersaram e só pudemos prender cinco, entre eles o líder principal Florencio Martínez, que serão imputados por incitação à realização de feitos puníveis, perturbação da paz pública e associação para o crime", disse o promotor em entrevista a rádios da capital. Corvaván afirmou que não houve feridos na operação policial. Martínez é líder da esquerdista Luta pela Terra. Na quinta-feira, ele desafiou em entrevista coletiva as forças do governo. O líder sem-terra disse que havia apenas 40 policiais e que a polícia deveria enviar reforços "pois nós somos mais de sete mil e no enfrentamento vamos derrotá-los com facilidade". Ainda segundo Martínez, a população paraguaia "é soberana e vai expulsar os colonos brasileiros". "Não queremos mais brasileiros nesta zona e não queremos dialogar com o governo, tomaremos nossas próprias decisões contra os invasores brasileiros." O dirigente disse que a tentativa de queimar o silo não teve sucesso. "Para que querem incendiar um silo de cinco milhões de dólares?", questionou Favero em entrevista por telefone com rádios de Assunção. O produtor brasiguaio disse que várias inspeções já foram feitas em suas terras e nenhum governo encontrou ilegalidades. Em Capiiabary, após a prisão dos sem-terra, perto de 100 outros campesinos se agruparam e aos gritos anunciaram que resgatariam seus líderes. Jornalistas detidos A Polícia paraguaia deteve nesta sexta-feira, 31, um jornalista americano que fazia reportagens sobre a produção de soja no distrito de Los Cedrales, no departamento de Alto Paraná, ao leste de Assunção e na fronteira com o Brasil. O jornalista independente Evan Abramson foi detido após ser denunciado por um dirigente camponês de Los Cedrales, que afirmou que o americano entrou ilegalmente em uma fazenda para fotografar plantações de soja, disseram à Agência Efe fontes policiais. Por sua vez, o jornalista disse em entrevista por telefone concedida a emissoras de rádio em Assunção que está no Paraguai fazendo uma reportagem sobre a produção de soja e que o terreno no qual ingressou não era cercado. Ele contou que foi detido porque tinha apenas uma cópia de seu passaporte, já que seu visto ainda está sendo tramitado em Assunção. A promotora María Graciela Vera Colmán decretou a mudança de Abramson à delegacia de Los Cedrales enquanto ocorrem as apurações rotineiras no consulado dos Estados Unidos na capital paraguaia, acrescentaram as fontes. (Com Efe) Ampliada às 21h05

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiBrasilBrasiguaios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.