Edgard Garrido/Reuters
Edgard Garrido/Reuters

Lobo instaura Comissão da Verdade para investigar deposição de Zelaya

Grupo irá escutar pessoas envolvidas no golpe para esclarecer atos que levaram à crise

04 Maio 2010 | 18h01

Efe

 

TEGUCIGALPA- O presidente de Honduras, Porfirio Lobo, instaurou nesta terça-feira, 4, a Comissão da Verdade, que investigará os fatos ocorridos no país antes, durante e depois da deposição do ex-presidente Manuel Zelaya, no dia 28 de junho do ano passado.

 

Veja também:

linkUnasul não entrou em consenso sobre Honduras, diz chanceler uruguaio

 

"Instauramos a Comissão da Verdade porque é preciso esclarecer os fatos (...), identificar os atos que levaram à situação de crise" e chegar a conclusões "que permitam que não se repitam jamais", disse Lobo em seu discurso, no ato realizado na Casa Presidencial.

 

Lobo manifestou sua esperança de que a comissão "contribuirá enormemente com a democracia e com a convivência pacífica entre os hondurenhos" e pediu aos seguidores "de um e de outro extremo (de Zelaya e de Roberto Micheletti) que não temam a Comissão da Verdade".

 

O coordenador da comissão, o ex-vice-presidente da Guatemala Eduardo Stein, disse que o objetivo não é "estabelecer consequências de índole judicial", mas "esclarecer os fatos". "Não pensamos em excluir ninguém (...), queremos escutar todas as vozes", disse Stein.

 

O ato de inauguração contou com a presença do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza; do secretário de Estado espanhol para região ibero-americana, Juan Pablo de Laiglesia, e do vice-presidente e chanceler do Panamá, Juan Carlos Varela.

 

Além disso, o subsecretário de Estado adjunto dos Estados Unidos para o Hemisfério Ocidental, Craig Kelly, e a subsecretária adjunta de Estado para a América Central, Caribe e Cuba, Julissa Reynoso, também estavam presentes.

 

A criação da Comissão da Verdade foi estabelecida pelo Acordo Tegucigalpa - San José, assinado no dia 30 de outubro do ano passado por delegações de Zelaya e Micheletti, com o objetivo de superar a crise causada pela deposição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.