Gustavo Amador/Efe
Gustavo Amador/Efe

Lobo toma posse e sanciona anistia a envolvidos em golpe

'Acabamos de sair da pior crise política da nossa história democrática', diz presidente em discurso inaugural

Efe,

27 de janeiro de 2010 | 16h23

O presidente eleito de Honduras, Porfírio 'Pepe' Lobo tomou posse nesta quarta-feira, em Tegucigalpa. Seu primeiro ato como presidente foi sancionar uma lei aprovada nesta madrugada pelo novo Congresso que anistia crimes políticos cometidos por envolvidos no golpe de Estado que derrubou o ex-presidente Manuel Zelaya.   " A anistia se refere unicamente a crimes  políticos",  disse Lobo.

Veja também:

link Volta de Zelaya ao país reduziu violência, diz Amorim

 linkAntes de sair, Micheletti retira Honduras da Alba

 linkEx-presidente diz que deixa governo de facto com sucesso

Zelaya é acusado de 18 crimes entre delitos políticos e comuns. A anistia foi proposta pelo ex-mediador do conflito, o ex-presidente da Costa Rica Oscar Arias. O ex-presidente deposto deve deixar ainda hoje a embaixada brasileira, onde vive desde setembro, rumo à República Dominicana na condição de "hóspede".

 

O novo presidente prometeu conceder um salvo-conduto a Zelaya e acompanhá-lo, junto do presidente dominicano Leonel Fernández, até o aeroporto de Tegucigalpa.

VEJA TAMBÉM:
especial Cronologia da crise em Honduras
som Honduras vive expectativa, diz enviado
especial Entenda o impasse no país

"Acabamos de sair da pior crise política da nossa história democrática, mas pudemos evitar os perigos que afrontavam nossa nação", disse Lobo em seu discurso de posse. 

 

A cerimônia aconteceu no Estádio Nacional de Tegucigalpa. Após jurar a Constituição, Lobo foi empossado pelo presidente do Congresso, Juan Orlando Hernández. Roberto Micheletti, que presidia o país desde o golpe, não participou da entrega da faixa.

 

"Graças a Deus, este dia finalmente chegou", disse Hernández após passar a faixa a Lobo.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasGolpe de EstadoLoboposse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.