Reuters
Reuters

Lugo demite cúpula das Forças Armadas após rumores de golpe

Presidente do Paraguai negou que haja plano contra o governo, mas ordenou as demissões dos comandantes

estadao.com.br,

05 Novembro 2009 | 08h00

O presidente paraguaio, Fernando Lugo, demitiu os três principais comandantes militares do país na quarta-feira, 4, um dia depois de negar rumores de um possível golpe em meio às crescentes críticas ao seu governo. Os novos comandantes já começaram a tomar posse nesta quinta-feira, 5. Segundo a mídia paraguaia, as demissões ocorreram após Lugo saber que os militares se reuniram com membros da oposição.

 

Lugo demitiu os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, informou comunicado da assessoria de imprensa da Força Aérea do país. É a terceira reformulação feita por Lugo na cúpula das Forças Armadas desde que ele assumiu o poder há um ano e meio. O presidente não fez comentários sobre a decisão.

 

Segundo comunicado, o chefe do Exército, general Oscar Velázquez, foi substituído pelo general Bartolomé Pineda; na Marinha, o contra-almirante Claudelino Recalde por Egberto Orué; o general Darío Dávalos, comandante da Força Aérea, pelo general Hugo Aranda. O comandante das Forças Militares, o contra-almirante  Cíbar Bénitez, permaneceu no cargo.

 

Líderes da oposição têm elevado as críticas a Lugo nos últimos dias. Eles o acusam de não conseguir reduzir o crime e pedem investigações sobre supostas vendas impróprias de terras, envolvendo um assessor presidencial.

 

Na terça-feira, Lugo negou a ameaça de um golpe militar em comentários a jornalistas, mas alertou sobre "um pequeno grupo de oficiais militares" que ele disse que estariam se aliando a seus inimigos políticos. Segundo informações da imprensa paraguaia, a reformulação militar vem após Lugo supostamente ser informado que alguns oficiais de alta patente se reuniram com parlamentares da oposição durante o fim de semana.

 

Ex-bispo da Igreja Católica, Lugo conquistou a Presidência no ano passado, pondo fim a mais de 60 anos de governo do conservador Partido Colorado. A coalizão comandada por Lugo tem batalhado para promover uma agenda de reformas e enfrenta dura oposição de parlamentares do Colorado, que controlam o Congresso.

Um dos países mais pobres da América do Sul, o Paraguai tem sofrido com períodos esporádicos de instabilidade política e várias tentativas de golpe desde a restauração da democracia em 1989, após 35 anos de ditadura militar comandada pelo general Alberto Stroessner.

 

Mais conteúdo sobre:
Paraguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.