Lugo pede volta da democracia no Paraguai e irá ao Mercosul

O presidente deposto do Paraguai Fernando Lugo pediu neste domingo que a democracia retorne ao seu país e anunciou que irá apoiar todas as manifestações pacíficas para que a abalada ordem institucional seja restabelecida.

REUTERS

24 de junho de 2012 | 15h17

O ex-chefe de Estado, que na sexta-feira foi destituído da presidência em um rápido processo de impeachment, anunciou que vai visitar esta semana a província argentina de Mendoza para participar de uma cúpula de presidentes do bloco Mercosul, na qual irá explicar a situação no Paraguai.

"Acompanhamos todo tipo de manifestação pacífica para que se restaure a ordem institucional interrompida na sexta-feira passada com a ação formulada pelo Parlamento", disse Lugo a jornalistas.

"Este foi um golpe parlamentar contra a vontade popular", acrescentou, indicando que está em contato com presidentes sul-americanos para discutir a reação regional adversa sobre a mudança de comando no Paraguai, agora governado por Federico Franco, de centro-direita, que era vice-presidente de Lugo.

O ex-bispo afirmou ainda que não irá colaborar com o governo de Franco. "Este é um governo falso. Não se pode colaborar com um governo que não tem legitimidade."

(Reportagem de Didier Cristado; reportagem adicional de Daniela Desantis)

Mais conteúdo sobre:
PARAGUAILUGOCRITICAILEGITIMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.