Lugo se diz 'serenamente contente' por vitória no Paraguai

O presidente eleito do Paraguai,Fernando Lugo, afirmou na segunda-feira estar serenamentecontente por sua histórica vitória nas eleições de domingo,dando fim a mais de seis décadas de predomínio do PartidoColorado (centro-direita). Lugo, um ex-bispo católico que obteve vantagem de quase dezpontos percentuais sobre a candidata colorada, Blanca Ovelar,representa uma coalizão ampla da qual participam váriospartidos e movimentos sociais, misturando liberais,socialistas, organizações de agricultores, sindicatos eentidades estudantis.Após celebrar sua vitória até 1h da madrugada (horário local)de segunda-feira, Lugo disse que acordou muito cedo paraparticipar de reuniões com representantes de sua aliança edefinir a composição do novo governo. "Sinto-me bem. Estou serenamente contente, que é a posturaque nos caracterizou. Tenho uma enorme gratidão para com o povoparaguaio, que ontem (domingo) demonstrou um comportamentoexemplar nas eleições", afirmou Lugo ao Canal 13. "Estamos bem e contentes com os cidadãos, com seucomportamento. Os cidadãos são o sujeito na construção de umademocracia que nós, os paraguaios, merecemos", acrescentou. Depois da vitória de Lugo, os paraguaios tomaram as ruas deAssunção para festejar, em meio a manifestações de grandealegria de pessoas aliviadas com o final dos 61 anos de domíniodo Partido Colorado, marcados nas últimas décadas pelacorrupção. "Lugo foi muito criticado. Tentaram fazer com que aspessoas tivessem medo dele. Mas, mesmo assim, os paraguaiosvotaram no candidato que gerava menos antipatia. Agora,iniciamos um processo de construção social e política, umprocesso de governabilidade", afirmou Jorge Pablo Brugnoni,cientista político e consultor da Organização das Nações Unidas(ONU). ALIANÇAS NECESSÁRIAS Em uma manobra inesperada, o jornal ABC Color, do Paraguai,publicou em sua primeira página, na segunda-feira, um editorialintitulado: "O povo derrotou aqueles que o humilharam,empobreceram e traíram". "Afirmamos com convicção que desde hoje se enterra a imundae degradante 'transição' e se inicia uma etapa de democraciagenuína no Paraguai", afirmou o diário em um trecho doeditorial. O Partido Colorado domina o cenário político do país desde1947 e sua posição consolidou-se em 1954, quando o generalAlfredo Stroessner deu um golpe de Estado impondo uma brutalditadura. Esse regime só chegou ao fim em 1989, em um levantecomandado por alguns setores da mesma legenda governista. Ainda que não esteja definida a correlação de forças nofuturo Congresso, cujos membros também foram eleitos nodomingo, analistas asseguram que o governo eleito provavelmentebuscará selar alianças para ter uma bancada majoritária noórgão e assim fazer valer seu programa. O vice-presidente eleito, Federico Franco, comanda oPartido Liberal, a segunda maior força política do Paraguai. Durante sua campanha, Lugo prometeu derrotar a corrupçãonesse país, um dos mais pobres da América do Sul, e lançar umareforma agrária, além de renegociar os acordos energéticos queo Paraguai mantém com a Argentina e o Brasil. O jornal Ultima Hora, que ocupou toda a sua primeira páginacom uma foto do presidente eleito, escreveu em sua mancheteprincipal: "Lugo derrota o Partido Colorado". Já em suacontracapa, o diário referiu-se ao atual presidente do país,Nicanor Durante, como "O marechal da derrota". O jornal La Nación destacou em sua primeira página: "Lugofaz história e derrota a ANR (Partido Colorado)". Já os diáriosCrónica e Popular estamparam a palavra "Amém!" em sua capa. Lugo deve tomar posse no dia 15 de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.