Lula chega a funeral de Kirchner

Brasileiro é oitavo presidente a comparecer ao funeral; corpo será enterrado amanhã

Efe,

28 de outubro de 2010 | 22h38

BUENOS AIRES- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou na noite nesta quinta-feira, 28, a Buenos Aires, onde está no velório do ex-presidente argentino Néstor Kirchner, que morreu ontem devido a um ataque cardíaco aos 60 anos.

 

Veja também:

video Vídeo: Ariel Palácios comenta morte de Kirchner

lista Análise: Sucessão de Cristina se torna imprevisível

especialEspecial: A trajetória política do ex-presidente

mais imagens Galeria de fotos: Argentina em luto

lista Perfil: de líder estudantil à presidência da Argentina

 

Lula, que decretou luto oficial de três dias no Brasil pela morte de Kirchner, deixou o Aeroporto Aeroparque de Buenos Aires sem dar entrevistas à imprensa.

 

Trata-se do oitavo presidente a chegar à Argentina para participar do velório do ex-governante e marido da atual presidente argentina, Cristina Kirchner.

 

O corpo está sendo velado na Casa Rosada, sede do governo, onde ficará até sexta-feira às 10h no horário local (11h de Brasília), quando será levado para Rio Gallegos, sua cidade natal, a 2,6 mil quilômetros ao sul de Buenos Aires.

 

O enterro será em um panteão familiar no cemitério de Rio Gallegos, embora ainda não tenha sido confirmado ser será ao fim da tarde de amanhã ou na primeira hora de sábado.

 

Antes de viajar, Lula declarou em um ato no aeroporto do Rio de Janeiro que Kirchner foi um "companheiro" pelo qual sente um "profundo respeito", por ele ter "conseguido tirar a Argentina do buraco".

 

Para chegar ao velório, Lula cancelou nesta quinta-feira sua participação em um comício em Recife (Pernambuco) da campanha de sua candidata à presidência, a petista Dilma Rousseff.

 

Além de Lula, chegaram a noite ao velório os presidentes Hugo Chávez (Venezuela), Juan Manuel Santos (Colômbia) e Paraguai (Fernando Lugo).

 

Cristina abraçou e conversou com cada um dos presidentes que compareceram ao velório, onde também foram mais cedo os governantes José Mujica (Uruguai), Evo Morales (Bolívia), Rafael Correa (Equador) e Sebastián Piñera (Chile).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.