Lula cobra Evo por obras de US$ 600 mi financiadas pelo BNDES

Governo brasileiro emprestou quantia em 2006 para projetos de infra-estrutura que ainda não saíram do papel

Agência Estado,

30 de outubro de 2008 | 16h32

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou do presidente da Bolívia, Evo Morales, a execução de projetos de infra-estrutura de U$ 600 milhões financiados ainda em 2006 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que até agora não saíram do papel. A informação é de integrantes da comitiva brasileira. Entre as obras, está uma parte da Rodovia Interoceânica, que poderá dar à Bolívia uma saída para o Oceano Pacífico. Em 2008, o Brasil emprestou também U$ 230 milhões para que a Bolívia faça estradas na área norte, ligando La Paz a Guajará-Mirim, em Rondônia. A pedido do presidente da Bolívia, Lula tomou nesta quinta-feira, 30, o café da manhã com Morales, antes da reunião final dos chefes de Estado e de governo que participaram da 18ª Reunião da Cúpula Ibero-americana, em San Salvador. Ficou acertado que os dois terão um encontro em janeiro, na fronteira entre os dois países, para resolver algumas pendências que persistem.  Entre elas, a situação de agricultores de soja na Província de Pando, na fronteira com o Acre, constantemente ameaçados de expulsão, e as condições degradantes de vida a que são submetidos brasileiros que fazem extração de castanha e borracha na Bolívia. Ao todo, 16 mil brasileiros vivem na Bolívia sem nenhuma segurança. De acordo com informação do assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, Morales agradeceu a Lula pela ajuda política que tem recebido do Brasil para enfrentar a difícil situação interna, na pesada oposição que sofre por parte dos Estados mais ricos, como Pando, Beni, Santa Cruz e Tarija. Há 10 dias, Morales e a oposição fizeram um acordo para votar, em janeiro, o referendo sobre as mudanças constitucionais no país.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo MoralesLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.