André Dusek/AE
André Dusek/AE

Lula critica ONU por postura sobre soberania das Malvinas

Para presidente, assento permanente no Conselho de Segurança pode favorecer Reino Unido na disputa

Tânia Monteiro, enviada especial de O Estado de S. Paulo,

23 de fevereiro de 2010 | 14h44

Em um forte discurso, durante sua intervenção na reunião de cúpula dos países latino-americanos e do Caribe, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou a Organização das Nações Unidas e o Conselho de Segurança da ONU por não se posicionarem a favor da soberania das Ilhas Malvinas pela Argentina.

Veja também:

video TV Estadão: Crise faz crescer alerta militar

link Estadão de hoje: Cúpula apoia reivindicação argentina  

blog Ariel Palácios: Ovelhas, pinguins, minas e muito petróleo

lista Arquivo Estado: Guerra afetou relação entre argentinos e britânicos

lista Arquivo Estado: Apoio à Argentina reflete tradição da diplomacia brasileira

"A nossa atitude é de solidariedade à Argentina", avisou Lula, que indagou "qual é a explicação geográfica, política e econômica da Inglaterra estar na Malvinas?". E emendou: "qual é a explicação de as Nações Unidas nunca terem tomado esta decisão? Não é possível que a Argentina não seja dona (das Malvinas) e seja a Inglaterra a 14 mil quilômetros de distância".

Lula questionou se a ONU age desta forma não é justamente porque a Inglaterra é membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Ele voltou a defender uma reformulação do órgão, ampliando sua representatividade."Será por que a Inglaterra é membro permanente que a eles pode tudo e aos outros nada? É preciso que a gente comece a instigar para que o secretário das Nações Unidas reabra este debate", afirmou.

Lula criticou ainda a reunião do clima de Copenhagen ter sido "a mais desorganizada" que ele já participou e da "pobreza de espírito" dos "governantes de países importantes" que dedicavam horas de discussões em parágrafos ou artigos do tratado. "Copenhagen não deu certo porque não tinha organização e coordenação", acusou, cobrando ainda dos países que poluíram, responsabilidade na ajuda aos países em desenvolvimento."Não é favor", disse.

A disputa

A Argentina diz que a autorização para a exploração de petróleo na região viola sua soberania e impôs restrições à navegação no entorno da ilha, localizada no Atlântico Sul.  A companhia britânica Desire Petroleum alega que não quer se envolver nas disputas entre a Grã-Bretanha e a Argentina. A plataforma está localizada firmemente dentro das águas britânicas", afirma o porta-voz da companhia. Segundo ele, a Argentina está começando seu próprio programa de exploração de petróleo nas águas a oeste das ilhas.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
LulaMalvinasArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.