Lula diz ter pedido a Zapatero navio para levar ajuda a Cuba

Presidente quer enviar 45 mil toneladas de arroz para Cuba e para o Haiti, países afetados por furacões

Efe

31 de outubro de 2008 | 17h28

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula Da Silva, disse nesta sexta-feira, 31, em Havana que pediu um navio de grande porte ao líder do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, para transportar ajuda humanitária aos países do Caribe afetados por furacões.  Veja também:Lula confirma visita de Raúl Castro ao Brasil em dezembroSeria 'extraordinário' se EUA elegessem um negro, diz LulaApex abre escritório em Cuba; Petrobras assina acordoLula revela em Cuba que quis tomar banho de petróleo no ES Lula quer enviar 45 mil toneladas de arroz, sendo 15 mil delas a Cuba e o resto para Haiti, Jamaica, Honduras e outros países, pelo que pediu, na quinta-feira, a Zapatero em San Salvador - onde participavam da 18ª Cúpula Ibero -Americana- um navio maior que os que a Marinha brasileira possui. "Ontem (quinta-feira, 30) acertei com o companheiro José Luis Rodríguez Zapatero e ele vai nos emprestar uma embarcação grande, de mais de 50 mil toneladas, para que, daqui a três semanas, vá ao porto do Rio Grande do Sul para depois trazer o alimento para distribuí-lo aqui", explicou o presidente. "Sei que os alimentos precisavam chegar mais depressa, mas não temos um navio e ainda demoraríamos 45 dias para conseguir alugá-lo", disse o presidente brasileiro. Essa ajuda se somará às 1.500 toneladas que o Brasil já enviou à região após os furacões que destruíram vários países em agosto e setembro. Lula, que chegou na quinta-feira a Havana para uma visita de 22 horas, reiterou o respaldo brasileiro a Cuba, atingida por dois furacões que deixaram prejuízos de mais de US$ 5 bilhões, segundo cálculos oficiais. Em setembro, o Brasil enviou a Cuba dois aviões com 28 toneladas de alimentos para os desabrigados, e está em caminho um navio com mais mantimentos e materiais para a reconstrução de infra-estruturas e imóveis. Lula disse que o Governo brasileiro está "fazendo um esforço muito grande" para ajudar a reconstruir as infra-estruturas elétricas destruídas na ilha. "Uma comissão de técnicos brasileiros já está aqui, em Cuba, para ver que tipo de cabo é necessário", disse o governante, e explicou que Cuba usa cabos de cobre e o Brasil, de alumínio, o que dificulta concretizar a ajuda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.