Lula envia ministro interino para reunião da Unasul sobre Equador

Presidente não participará de encontro porque está empenhado na fase final da campanha eleitoral

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

30 de setembro de 2010 | 18h55

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou nesta quinta-feira, 30, ao ministro interino das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que embarque para Buenos Aires para representá-lo na reunião de hoje à noite da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), convocada para discutir a suposta tentativa de golpe de Estado no Equador.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

som Território Eldorado: Situação tranquila nas ruas, diz embaixador brasileiro

 

O ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, que está no Haiti, conversa com vários chanceleres para manter o presidente Lula informado sobre a situação no Equador.

Segundo o assessor internacional da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, "naturalmente o Brasil está preocupado com os últimos acontecimentos no Equador, mas as informações recebidas até agora são de que a situação está contornada".  

 

Garcia disse que Lula já colocou à disposição do presidente equatoriano, Rafael Correa, o que ele precisar. A maior preocupação do governo brasileiro é que haja ruptura das instituições ou da democracia.

Garcia comentou ainda que, embora a situação esteja contornada, como as movimentações dos policiais tiveram uma amplitude muito grande, causando apreensão, há uma preocupação de que estes fatos não se repitam.  

 

A reunião de hoje à noite em Buenos Aires, que contará com a presença de presidentes da região, terá como objetivo dar respaldo à Correa. Lula descartou a possibilidade de participar porque está empenhado na fase final da campanha eleitoral.

O governo equatoriano decretou estado de emergência por cinco dias em meio a uma série de protestos iniciada por policiais e militares contrários a uma reforma que afetará benefícios aos servidores públicos.  

 

Ena Von Baer, porta-voz do governo chileno, disse em Santiago que o presidente do Chile, Sebastián Piñera, estava a caminho de Buenos Aires para participar da reunião emergencial de presidentes dos países que integram a Unasul.

A entidade é formada por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. Com informações da Dow Jones.

 

Leia mais:

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkOEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorprotestogolpeUnasulBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.