Lula inicia visita à Argentina com energia e defesa na agenda

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva inicia nesta sexta-feira uma visita à Argentina, ondeassinará acordos de cooperação de defesa e energia nuclear comsua colega argentina, Cristina Kirchner. A visita também dará oportunidade para que os presidentesbusquem uma solução para o tenso cenário energético que vivemambos os países, que lutam para obter da Bolívia gás naturalpara manter a indústrias funcionando e evitar apagões. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmouna quinta-feira em entrevista coletiva que haverá anúncios deimpacto durante a visita de Lula. "Há uma cooperação muito importane na área nuclear que teráimpacto fora de nossos países, na opinião pública", disse. Segundo ele, isso demonstra que "total integração é amelhor maneira...de diminuir os problemas energéticos queexistem". Lula será recebido por Cristina na Casa Rosada, onde tambémse reunirão seus representantes. Após a assinatura de acordos, que também incluem cooperaçãono setor de aviação, o presidente inicia visitas ao Congresso,Corte Suprema e à Prefeitura de Buenos Aires, entre outroslocais. Os líderes voltam a se encontrar no sábado, na residênciade Olivos, e receberão a visita do presidente boliviano, EvoMorales. O Brasil importa diariamente até 30 milhões de metroscúbicos de gás da Bolívia, enquanto a Argentina compra até 7,7milhões. O governo argentino quer que o Brasil ceda parte de seuconsumo para a Argentina, a fim de evitar que no próximoinverno o país sofra os inconvenientes que atravessa desde2004. De acordo com Amorim, o Brasil está disposto a ajudar, masnão reduzirá suas importações caso isso represente problemas deabastecimento no país. (Reportagem de César Illiano e Damián Wroclavsky)

REUTERS

22 de fevereiro de 2008 | 08h48

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINALULAVISITA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.