Lula não considera apropriado responder às críticas de Uribe

Presidente colombiano havia dito que seu homólogo brasileiro tratava crise como caso pessoal

Rafael Moraes Moura

29 de julho de 2010 | 16h19

O porta-voz da Presidência, Marcelo Baumbach, disse nesta quinta-feira, 29, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não vai responder às críticas do colombiano Álvaro Uribe. O presidente da Colômbia deplorou que Lula "se refira à crise como um caso pessoal e ignore a ameaça que representa a presença de guerrilheiros das Farc na Venezuela".

 

Veja também:

linkUribe critica Lula por comentários sobre crise com Venezuela

link Análise: Unasul é frágil demais para conter crise

mais imagens Galeria: provas mostradas pela Colômbia na OEA

lista Histórico de tensões entre os dois países

 

"O presidente Lula já tomou conhecimento dessas declarações e não considera apropriado que se responda a esse comunicado", afirmou Baumbach. "Lula já declarou em várias oportunidades que lamenta a situação que se criou entre a Colômbia e a Venezuela; o presidente acredita que a estabilidade das relações entre os dois países, dois países amigos, tão importantes na nossa região, é fundamental para a tranquilidade da região e para o avanço da integração regional".

 

Questionado sobre a simpatia do presidente brasileiro pelo venezuelano Hugo Chávez, Baumbach respondeu que Lula "já manifestou em várias oportunidades a sua disposição para contribuir para o diálogo e para a mediação desse impasse".

 

Sobre a relutância do governo brasileiro em considerar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) um grupo terrorista, o porta-voz disse que "não é o presidente que tem que se pronunciar a respeito disso".

 

O governo Chávez rompeu as relações diplomáticas com a Colômbia na semana passada, após o embaixador colombiano na OEA denunciar ao organismo a presença de guerrilheiros em território venezuelano, com o suposto conhecimento do governo do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.