Lula se reuniu por duas horas com Fidel Castro em visita a Cuba

O chefe de Estado cubano contou a jornalistas sobre seu encontro com o presidente do País

Efe

31 de outubro de 2008 | 18h13

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu nesta sexta-feira, 31, por cerca de duas horas com o líder cubano Fidel Castro, ao final de sua visita oficial à ilha, disse hoje o presidente de Cuba, Raúl Castro.   Veja também: Lula diz ter pedido a Zapatero navio para levar ajuda a Cuba Lula confirma visita de Raúl Castro ao Brasil em dezembro Seria 'extraordinário' se EUA elegessem um negro, diz Lula Apex abre escritório em Cuba; Petrobras assina acordo Lula revela em Cuba que quis tomar banho de petróleo no ES   O chefe de Estado cubano contou a jornalistas no aeroporto José Martí de Havana, onde se despediu de Lula, que acompanhou o presidente brasileiro durante seu encontro com o ex-líder cubano com a idéia de que a reunião duraria 15 minutos, mas disse que ambos ficaram conversando por "cerca de duas horas".   "Encerramos há poucos instantes uma longa reunião com o chefe da Revolução Cubana, o companheiro Fidel. Ele (Lula) o cumprimentaria por apenas 15 minutos, mas ficou lá por cerca de duas horas", explicou o presidente cubano.   "Eu só ouvia, aprendendo com os dois", acrescentou o presidente cubano.   Por sua vez, Lula se referiu à saúde de Fidel Castro e afirmou que, "se depender da cabeça política, ele está tão bem e tão preparado quanto estava antes".   O ex-governante cubano, de 82 anos, se recupera de uma doença intestinal desde julho de 2006, quando fez sua última aparição em público.   Lula encerrou hoje uma visita de 22 horas a Havana, a qual qualificou de "positiva" e da qual destacou "o carinho que Raúl dedicou à nossa delegação" e a conversa que teve com Fidel Castro.   "Saio daqui satisfeito (...) saio daqui mais feliz do que nunca, porque há muito tempo estudava a possibilidade de um acordo da Petrobras para fazer prospecção de petróleo em Cuba", disse o presidente.   Petrobras e Cuba Petróleo (Cupet) assinaram nesta sexta-feira, 31, um contrato pelo qual a petrolífera brasileira entrou no negócio de prospecção de petróleo em águas profundas da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) cubana no Golfo do México.   Ampliada às 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.