Associated Press
Associated Press

Machu Picchu poderá voltar a ser visitada em cerca de 2 meses

Acesso às ruínas incas foi parcialmente destruído pelas enchentes que atingiram a região nas últimas semanas

Efe,

03 de fevereiro de 2010 | 13h04

A cidade histórica de Machu Picchu, isolada em consequência das inundações provocadas pelas fortes chuvas no sul do Peru, será reaberta em sete ou oito semanas, "se Deus e o clima permitirem", afirmou na terça-feira, 2, o ministro de Turismo do país, Martín Pérez.

 

"Esperemos que Deus e o clima nos ajude e isso nos permita que em sete ou oito semanas possamos ter novamente os turistas que sempre nos acompanham em Machu Picchu", afirmou o ministro à Rádio Programas del Perú (RPP).

 

Pérez lembrou que as ruínas históricas não sofreram danos, mas a localidade mais próxima dos locais históricos, que se chamava Aguas Calientes e passou a ser denominada Machu Picchu Pueblo, sofreu grandes problemas em consequência das inundações e deslizamentos.

 

As chuvas, que já deixaram 37.973 desabrigados e 20 mortos no sul do Peru, provocaram na semana passada a interrupção da ferrovia que une Machu Picchu Pueblo com a cidade de Cuzco, capital da região, única via de acesso às ruínas incas.

 

Como consequência, milhares de turistas ficaram isolados na proximidade da cidadela, o que obrigou o governo peruano a criar uma operação de resgate através de ponte aérea com helicópteros.

 

Segundo especialistas, as chuvas no Peru podem ter ocasionado perdas de US$ 1,2 bilhões ao país, dos quais US$ 400 milhões seriam relativos a dinheiro de turistas que foi perdido pelas semanas que o acesso a Machu Picchu permanecerá fechado.

Tudo o que sabemos sobre:
PeruMachu Picchuturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.