AFP PHOTO / JUAN BARRETO
AFP PHOTO / JUAN BARRETO

Maduro ameaça tomar fábricas ociosas e prender proprietários

Falando a simpatizantes na capital, Caracas, o presidente defendeu "todas as ações para recuperar o aparato de produção, que está sendo paralisado pela burguesia"

Associated Press

15 Maio 2016 | 10h20

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, ameaçou tomar fábricas ociosas e prender seus donos após um decreto que garantiu a ele poderes ampliados para agir no enfrentamento da profunda crise econômica por que passa o país. Os comentários de Maduro ocorreram enquanto a oposição advertia o líder que, se ele tentar bloquear uma tentativa de realizar um referendo revogatório, a sociedade poderia "explodir".

Falando a simpatizantes na capital, Caracas, o presidente defendeu "todas as ações para recuperar o aparato de produção, que está sendo paralisado pela burguesia". Ele também disse que os empresários que "sabotam o país" ao travar a produção em suas fábricas correm o risco de ser "colocados em algemas".

No mês passado, o maior distribuidor de alimentos e bebidas do país, Empresas Polar, encerrou sua última fábrica de cerveja, alegando que não estava sendo capaz de ter acesso a moeda forte para comprar matérias-primas.

Maduro acusa a Polar e outras empresas de tentar desestabilizar financeiramente o país, intensificando a escassez de vários bens, de gêneros alimentícios a medicamentos e papel higiênico.

Neste sábado, multidões anti e pró-governo duelaram em Caracas, em manifestações a favor e contra uma tentativa de retirar o presidente do poder. Oponentes de Maduro exigiam que o Conselho Nacional Eleitoral validasse cerca de 1,8 milhão de assinaturas recolhidas em favor do referendo revogatório, permitindo, assim, que o processo avance.

"Se você obstruir o caminho democrático, não sabemos o que pode acontecer neste país", disse o líder da oposição, Henrique Capriles, em um comício. "A Venezuela é uma bomba que poderia explodir a qualquer momento."

Do outro lado da cidade, o aliado de Maduro Jorge Rodriguez prometeu que não haveria referendo. "Eles pegaram assinaturas de pessoas mortas, menores e estrangeiros em situação irregular", disse.

Os líderes da oposição negam qualquer fraude nas assinaturas.

Um decreto de sexta-feira prorrogou por 60 dias poderes excepcionais de Maduro para resolver a crise econômica. A Venezuela está sofrendo vários problemas financeiros, incluindo uma inflação galopante, em um momento de baixa dos preços do petróleo, a pedra angular de sua economia.

Lideres da oposição acusam Maduro e seu antecessor, o falecido presidente Hugo Chávez, de má administração da economia. Maduro alega que os interesses da política conservadora estão travando o que ele chama de "guerra econômica" visando sua expulsão.

 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.