Maduro critica ameaça de sanções 'estúpidas' dos EUA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reagiu furiosamente a pedidos nos Estados Unidos por medidas punitivas contra seu governo por supostos abusos de direitos humanos cometidos na reação aos três meses de protestos de rua.

DEISY BUITRAGO, Reuters

10 Maio 2014 | 16h45

Alguns legisladores norte-americanos clamam por sanções a autoridades venezuelanas, ou até medidas mais abrangentes contra a economia da Venezuela, mas o governo do presidente Barack Obama disse que isso pode prejudicar as perspectivas de reconciliação política no país.

Manifestações antigoverno ocorridas desde fevereiro levaram a episódios de violência nos quais 42 pessoas morreram.

Cerca de 800 pessoas ficaram feridas e cerca de 3 mil foram presas, das quais mais de 400 continuam detidas, no que Maduro classificou como supressão de uma tentativa de golpe, mas opositores dizem se tratar de uma onda de repressão.

"Agora estão circulando essas ideias estúpidas de que vão nos aplicar sanções", disse Maduro na noite de sexta-feira.

"Mal vale a pena responder às coisas estúpidas que as elites imperialistas do norte fazem. Podem continuar com suas ameaças e sua estupidez", acrescentou o sucessor do falecido líder socialista Hugo Chávez em um discurso a ecologistas.

O desmonte de quatro acampamentos de estudantes que protestavam em Caracas na semana passada, com a prisão de 243 deles, reviveu as tensões por toda a Venezuela no momento em que pareciam se apaziguar. Estudantes e apoiadores saíram em passeata neste sábado.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELA EUA SANCOES ESTUPIDAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.