Federico Parra/AFP
Federico Parra/AFP

Maduro diz que 'ataques' a sistema elétrico também saíram de Chile e Colômbia

Ele acusa os supostos ataques, com o apoio dos Estados Unidos, de terem provocado os blecautes ocorridos em março

EFE, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2019 | 01h17

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesse sábado, 6, que os "ataques" contra o sistema elétrico do país também saíram do Chile e da Colômbia, com o apoio do governo dos Estados Unidos. Ele acusa os supostos ataques de terem provocado os blecautes ocorridos em março.

"Descobrimos novas fontes de ataque, do Chile e da Colômbia, que efetuaram ataques cibernéticos apoiados pelo governo dos Estados Unidos para danificar o sistema elétrico da Venezuela", declarou Maduro no palácio presidencial de Miralores. A afirmação foi feita durante para milhares de simpatizantes que marcharam no sábado para respaldá-lo.

Maduro indicou que as investigações realizadas pelas autoridades apontam que indivíduos localizados nestes países introduziram "vírus" no sistema elétrico. No entanto, assegurou que já tomou medidas para proteger o sistema, que, segundo reiterou, foi atacado em março de forma cibernética e eletromagnética pelos Estados Unidos.

"Recorreram ao terrorismo cibernético, recorreram ao terrorismo eletromagnético com as vias de transmissão", ressaltou o governante. Ele também reiterou que o "ataque" teve como alvo a hidrelétrica de Guri, a principal do país.

Nesse sentido, fez um chamado a países de América Latina, Europa, África e Ásia para que "reivindiquem" o fim das "agressões" dos EUA contra a Venezuela. "Basta de agressões de Donald Trump contra o povo da Venezuela!", bradou.

No último dia 7 de março começou na Venezuela uma sequência de blecautes que paralisaram o país durante pelo menos 11 dias. No domingo, quando as autoridades começaram a restabelecer o fornecimento de eletricidade, Maduro anunciou o início de um racionamento por 30 dias.

Do racionamento elétrico, durante o qual, segundo o governo, pelo menos 20 estados ficarão sem luz por quatro horas por dia, foram excluídos Caracas, Vargas, Amazonas e Delta Amacuro.

Os "ataques" denunciados pelo governo são rechaçados pela oposição, que assegura que os blecautes ocorreram devido à falta de manutenção das centrais elétricas e à corrupção do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.