Maduro formaliza candidatura, e campanha na Venezuela se acelera

Com promessas de manter a revolução socialista de Hugo Chávez, o presidente interino da Venezuela, Nicolás Maduro, registrou na segunda-feira sua candidatura para a eleição presidencial de abril, fazendo um comício que agitou a campanha eleitoral do polarizado país.

MARIO NARANJO E PATRICIA VÉLEZ, Reuters

11 de março de 2013 | 20h24

Maduro, um ex-motorista de ônibus e sindicalista de 50 anos, tem a missão de manter o chavismo vivo sem seu fundador, que morreu na semana passada, de câncer. Tentando imitar o estilo do seu mentor político, ele falou e até cantou para a multidão durante mais de duas horas em frente à sede da autoridade eleitoral. Ele chegou e foi embora do evento dirigindo um ônibus.

"Não sou Chávez, mas sou seu filho, e todos juntos somos Chávez", disse Maduro, vestindo agasalho esportivo com as cores da bandeira venezuelana. Depois, alto-falantes do evento tocaram o hino nacional na voz de Chávez.

Antes de se afastar do governo para se tratar, Chávez apontou Maduro como seu herdeiro político, e ele é franco favorito para a eleição presidencial de 14 de abril.

O adversário dele, Henrique Capriles, enviou representantes para formalizarem a sua candidatura. Embora a campanha só comece oficialmente no princípio de abril, os dois candidatos já começam a usar munição pesada.

Capriles já foi candidato a presidente em outubro do ano passado, quando perdeu para Chávez. Naquela época, ele foi alvo de ataques antissemitas e homofóbicos por parte dos chavistas (sua avó materna era judia, e ele é solteiro).

Durante o discurso da segunda-feira, Maduro aludiu à sexualidade do seu rival. "Eu, sim, tenho mulher, ouviram. Eu gosto das mulheres", disse Maduro, abraçado à sua companheira, Cilia Flores, que deixará o cargo de procuradora-geral para se dedicar à campanha.

Na véspera, Maduro havia chamado Capriles de "miserável" por acusar os chavistas de tentarem tirar proveito da popular figura de Chávez. O presidente interino disse que a família do líder morto cogita processar Capriles por suas "infâmias".

Capriles, um governador de 40 anos, havia dito no domingo que os chavistas "utilizam a pessoa que não está aí porque vocês não têm mais nada a oferecer ao país - Nicolás não é Chávez".

Na segunda-feira, a Venezuela começava a se normalizar após quase uma semana de comoção pela morte de Chávez. As escolas retomaram as aulas, e várias empresas que haviam fechado por luto voltaram a funcionar. O luto oficial termina na terça-feira.

Na Academia Militar de Caracas, milhares de pessoas permaneciam nas quilométricas filas que levam até o corpo do presidente.

Maduro disse que os restos embalsamados de Chávez serão transferidos na sexta-feira para o futuro Museu da Revolução, em um bairro chavista da capital. Depois, serão levados para o Panteão Nacional, ao lado do túmulo de Simón Bolívar, maior herói de Chávez.

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAPOLITICAMADURO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.