Maduro garante que tiros provocaram grande apagão na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, garantiu que o apagão que deixou metade do país e a capital às escuras no começo de dezembro foi uma sabotagem da oposição que disparou tiros contra uma linha de transmissão de alta tensão.

Reuters

17 de dezembro de 2013 | 19h19

Há duas semanas, pouco mais da metade do país ficou sem energia apenas seis dias antes de eleições municipais, que serviram de termômetro para a popularidade de Maduro após oito meses na Presidência.

Foi a segunda interrupção do fornecimento de eletricidade em três meses, e o governo liderado pelo sucessor do falecido Hugo Chávez voltou a culpar a oposição de forjar um ato de sabotagem para evitar as eleições.

"Dias antes das eleições, atacaram uma linha de transmissão. Já está comprovada toda a sabotagem", disse Maduro durante um evento para lembrar os 183 anos da morte de Simón Bolívar, determinante para a independência de vários países latino-americanos do domínio da Espanha.

"Com um disparo arrebentaram uma linha importante para deixar o país sem luz", explicou o presidente diante de alguns chefes de Estado de países caribenhos que também participarão de uma cúpula da aliança petroleira Petrocaribe.

O ministro do Interior e Justiça da Venezuela, Miguel Rodríguez, já havia manifestado a teoria de que um francoatirador teria sido o causador do apagão.

Os apagões são comuns em diversas cidades da Venezuela devido a problemas com a geração hidroelétrica, de onde provém, aproximadamente, 64 por cento de seu fornecimento.

(Reportagem de Andrew Cawthorne)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAAPAGAOMADURO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.