Mãe de Ingrid Betancourt diz que saúde da filha melhorou

'Soube que está melhor, ela já pode andar e recebe vitaminas e comida', diz mãe da refém das Farc

Efe,

11 de junho de 2008 | 15h15

Yolanda Pulecio, mãe da ex-candidata presidencial franco-colombiana Ingrid Betancourt, afirmou nesta quarta-feira, 11, que soube que melhorou a saúde de sua filha, seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2002. "Soube que está melhor, ela já pode andar e recebe vitaminas e comida. Naturalmente, o que come não a alimenta pela angústia na qual se encontra", afirmou Yolanda Pulecio à emissora colombiana W.   Veja também: Ex-refém diz que Farc podem entregar seqüestrados a Lula O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região     Ingrid Betancourt foi seqüestrada pelas Farc em fevereiro de 2002 em Caquetá, no sudoeste colombiano. A guerrilha inclui a refém na lista de 40 políticos, soldados, policiais e americanos seqüestrados, os quais desejam trocar por cerca de 500 guerrilheiros presos.   Em janeiro e fevereiro foram libertados seis políticos seqüestrados, entre eles o ex-senador Luis Eladio Pérez, que ficou refém quase sete anos e foi companheiro de cativeiro de Ingrid Betancourt durante uma temporada.   Pérez destacou que Betancourt estava muito mal de saúde e era maltratada pelo seqüestradores, devido à sua atitude enérgica.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.