Manifestações em dia de referendo marcam divisão na Bolívia

Grandes manifestações "para a unidadenacional" em cidades ocidentais da Bolívia no domingo marcarama tensa realização do referendo sobre a autonomia do distritode Santa Cruz, em um confronto que parece aprofundar asdiferenças do país. Manifestantes na cidade central de Cochabamba e de El Altorepudiaram a intenção separatista com apelos ao presidente EvoMorales e ao Congresso Nacional que reabram o processo para aaprovação de uma nova Constituição. Os referendos e as manifestações por unidade, realizadossimultaneamente, serviram como uma outra medição de forçasentre setores conservadores, que se mobilizaram em torno doprojeto de autonomia de Santa Cruz, o motor econômico do país,e os movimentos sociais que apóiam Morales. "O estatuto não passará e estamos aqui para dizer que nãotoleraremos nenhum ato oligárquico que ameace a unidadenacional", disse o dirigente sindical Oscar Oliveira, em umdiscurso transmitido por cadeias de televisão. "Cochabamba disse à Bolívia e ao presidente Morales quecontinue e aprofunde o processo de transformação. O prefeito(de Cochabamba) Manfred Reyes Vila deve renunciar por terapoiado os separatistas", acrescentou. A imprensa local estimou que quase meio milhão de pessoasparticiparam da marcha em Cochabamba e que pelo menos 200 milpessoas participaram da manifestação em El Alto. Houveprotestos em outras cidades. Os manifestantes de El Alto pediram a expulsão dosprefeitos de quatro distritos que buscam autonomia e exigiram aexpulsão do embaixador dos Estados Unidos, Philip Goldberg,chamado de "instigador do separatismo". "Se querem formar outra Bolívia, que a formem, mais fora donosso território nacional", disse Luis Huanca, responsável pelaleitura das resoluções da manifestação. Após os protestos em El Alto, um grupo de manifestantesatacou a sede de um canal de televisão, de propriedade doprefeito de oposição José Luis Paredes, segundo relataram asrádios. A polícia dispersou os manifestantes que, segundotestemunhas, também atacaram um veículo com repórteres de outrocanal de televisão. (Com reportagem de Ana María Fabbri)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.