Manifestantes queimam Congresso estadual em protesto por estudantes no México

Manifestantes incendiaram na quarta-feira o Congresso do Estado mexicano de Guerrero e alguns veículos, em protesto pelo suposto massacre de 43 estudantes por policiais corruptos e membros de um cartel de drogas.

REUTERS

13 de novembro de 2014 | 07h50

A violência também atingiu outras áreas do país. No Estado de Chiapas, manifestantes queimaram uma guarita de pedágio, enquanto outros destruíram o escritório local do Partido Revolucionário Institucional (PRI) na cidade de Morelia.

Em Chilpancingo, capital de Guerrero, integrantes de um sindicato de professores incendiaram o auditório de sessões do Congresso e queimaram vários carros, segundo testemunhas e meios locais.

No Estado de Michoacán, também um ponto de conflito com o narcotráfico, estudantes bloquearam a entrada principal do aeroporto local, disse um porta-voz da polícia.

O caso dos estudantes, desaparecidos desde setembro, tem tumultuado o governo do presidente Enrique Peña Nieto, do PRI, que assumiu o poder em dezembro de 2012 prometendo controlar a violência herdada de seu antecessor Felipe Calderón.

O promotor federal Jesús Murillo disse que as investigações indicam que os alunos de magistério da humilde escola rural de Ayotzinapa, no Estado de Guerrero, teriam sido assassinados e seus restos queimados.

(Reportagem de Alberto Fajardo, em Chilpancingo, e Michael O'Boyle, na Cidade do México)

Mais conteúdo sobre:
MEXICOPROTESTOMORTEESTUDANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.