Efe
Efe

Manuel Zelaya culpa EUA pelo fracasso de seu retorno ao poder

Presidente deposto de Honduras diz que Washington colocou seus interesses à frente da luta pela democracia

Efe,

28 Novembro 2009 | 19h14

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, culpou os Estados Unidos por não ter conseguido retornar ao poder. Segundo ele, Washington colocou em primeiro lugar seus interesses domésticos em detrimento à luta pela restauração da democracia hondurenha.

 

Veja também:

linkEleições em Honduras devem formalizar golpe

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

 

Em entrevista publicada neste sábado, 28, pelo jornal costarriquenho "La Nación", o líder destituído refugiado na embaixada brasileira de Tegucigalpa, assegurou que nos cinco meses que transcorreram desde o golpe de Estado, os Estados Unidos foram o país "que menos o apoiaram."

 

Ele ressaltou que enviou uma carta à Organização dos Estados Americanos (OEA) denunciando que com seu anúncio do reconhecimento das eleições de amanhã em Honduras, os Estados Unidos estão abandonando um dos mandatos da organização, que era precisamente sua volta à Presidência.

 

De acordo com Zelaya, uma vez que assinou o acordo Tegucigalpa-San José, que estabelecia uma via para que um Governo de reconciliação tomasse o poder em seu país, "o Departamento de Estado (dos EUA) começou a interpretá-lo a sua maneira."

 

Para Zelaya, se a comunidade internacional reconhecer o resultado do pleito de amanhã estará aprovando uma ditadura, por isso que assegurou que seu maior legado será sua "luta pela decência, a honestidade e de posições frente ao abuso de poder que por séculos desfrutaram os que têm maior autoridade em suas sociedades."

Mais conteúdo sobre:
Honduras Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.