Marido de Betancourt pede que Uribe negocie com Farc

O marido de Ingrid Betancourt pediu naquarta-feira ao presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, que abranegociações com o maior grupo guerrilheiro do país a fim delibertar a ex-candidata à Presidência sequestrada seis anosatrás. A guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc) anunciou, em um comunicado divulgado na terça-feira, queestá disposta a libertar três reféns, entre os quais ClaraRojas, sequestrada quando participava da campanha presidencialao lado de Betancourt. "Esse gesto de boa vontade anunciado pela guerrilha deveconvencer o governo colombiano a aceitar dar início anegociações", afirmou Juan Carlos Lecompte, marido deBetancourt, à Rádio Cooperativa. "Se Deus quiser, o presidente colombiano terá um pouco deconsideração e permitirá a realização de negociações capazes degarantir a libertação não apenas da minha mulher, Ingrid, masde alguns soldados que, neste mês de dezembro, completarão 10anos de cativeiro na selva", acrescentou. As Farc disseram que entregariam os três reféns, entre osquais um menino nascido no cativeiro, ao presidente daVenezuela, Hugo Chávez, ou a um emissário escolhido por ele. Chávez realizou mediações para garantir a libertação dosreféns, mas foi afastado do processo no mês passado, depois deUribe acusá-lo de ter interferido em assuntos internos daColômbia. "A senadora (colombiana) Piedad Córdoba, que participavadas mediações ao lado de Chávez, afirmou em Washington que, seo presidente venezuelano não tivesse sido afastado do processo,a guerrilha iria libertar, por volta destes dias, cerca de 25pessoas, entre as quais minha mulher", disse Lecompte. O grupo guerrilheiro exige que Uribe desmilitarize uma áreado país a fim de negociar a troca dos reféns por rebeldespresos. O líder colombiano descarta a possibilidade de atendera essa requisição. "Eles exigem o mesmo há anos: uma zona desmilitarizadapara, por razões de segurança, poderem se sentar à mesa denegociações com o governo e assim garantir a libertação daminha mulher e dos demais reféns", acrescentou o marido deBetancourt. (Reportagem de Rodrigo Martínez)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.