Enrique Castro-Mendivil/ REUTERS-30/5/2011
Enrique Castro-Mendivil/ REUTERS-30/5/2011

Marido de Keiko espera que mulher seja solta para passar o Natal em casa

Líder da oposição do Peru está presa desde novembro por suposta lavagem de dinheiro

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2018 | 01h52

LIMA - Mark Vito, marido da líder opositora peruana Keiko Fujimori, disse acreditar que a Justiça aprovará a libertação da mulher para que possam passar o Natal juntos em casa. A fundadora do partido Força Popular cumpre prisão preventiva de 36 meses desde novembro, enquanto é investigada por suposta lavagem de dinheiro.

"Temos fé e esperança de que muito em breve esse pesadelo vai acabar. Esperamos que a Sala de Apelações dê uma resolução  jurídica  justa e favorável para que Keiko passe o Natal em família", declarou Vito aos jornalistas, após visitá-la na prisão feminina de Lima no domingo, 23.

"Minhas filhas me perguntam todos os dias: 'Papai, mamãe volta hoje?' A verdade é que não sei o que falar para elas, mas a esperança é a última que morre, temos fé de que as coisas vão acabar bem", finalizou Vito. 

A Promotoria anticorrupção diz que Keiko tinha conhecimento que seu partido recebeu financiamento não declarado de empresas, incluindo a Odebrecht, para a campanha eleitoral de 2011 e que os integrantes buscaram falsos financiadores para registrar o dinheiro sob seus nomes.

A defesa de Keiko também apelou de sua detenção preventiva, assegurando que não há perigo de fuga.

A Segunda Sala Nacional de Apelações informou na quinta-feira passada que, devido à intensa carga de trabalho, ainda não emitiu a decisão sobre a apelação, mas que o fará em um prazo razoável.  A decisão dessa medida deve ser anunciada nos próximos dias.

Alberto Fujimori

Faz um ano que o pai de Keiko, o ex-presidente Alberto Fujimori recebeu um indulto natalino do então presidente Pedro Pablo Kuczynski. Fujimori havia sido condenado a 25 anos de prisão em 2009 por delitos contra a humanidade. 

O ex-mandatário está internado em uma clínica na capital do Peru por problemas cardíacos, após a Justiça anular o indulto de Kuczynski por irregularidades na tramitação. Fujimori deve voltar à prisão para terminar de cumprir sua sentença./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.