David Fernández/Efe
David Fernández/Efe

Máscara de Obama está caindo, afirma Chávez sobre Honduras

Presidente venezuelano critica mediação costa-riquenha e acusa EUA de tentarem consolidar governo golpista

Reuters,

25 de julho de 2009 | 20h27

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, criticou neste sábado, 25, seu colega americano, Barack Obama, e assegurou que Washington busca consolidar o governo de facto que derrubou o presidente de Honduras, Manuel Zelaya, após um golpe de Estado.

Veja também:

linkZelaya volta à fronteira de Honduras e pressiona por retorno

link Governo interino de Honduras amplia toque de recolher

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

"A máscara de Obama está caindo. Ele deve saber que se enfrentar o establishment acabará morrendo, então seguramente preferiu viver e deixar as coisas acontecerem", criticou o venezuelano em discurso em cadeia de rádio e TV.

 

Chávez, que diz liderar uma revolução socialista e anti-imperialista na Venezuela, havia suavizado sua retórica contra a Casa Branca após a posse de Obama. Em uma reunião de Cúpula em Trinidad e Tobago, em abril, o venezuelano cumprimentou o americano e disse que queria ser seu amigo.

 

A derrubada de Zelaya foi condenada pelos EUA, pela União Europeia e pelos países latino-americanos. A oposição hondurenha alega que o presidente cometeu crime contra a pátria por propor uma consulta para a reforma da Constituição do país, na qual Zelaya poderia incluir uma emenda para sua reeleição.

 

Para Chávez, as negociações mediadas pelo presidente costa-riquenho, Oscar Arias, foram uma armadilha montada pelos EUA para fuzilar Zelaya politicamente. O venezuelano ainda exortou o hondurenho a voltar a seu país.

 

"O plano de mediação busca congelar a batalha para as eleições de novembro. O que os EUA e seus aliados querem é que os golpistas se consolidem e sejam reconhecidos", acrescentou.

 

Zelaya, cuja aliança com Chávez irritou as elites hondurenhas, foi sequestrado e expulso do país por militares em 28 de junho. O Congresso então nomeou o presidente do Congresso, Roberto Micheletti, como chefe de Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.