Mediadores europeus tentam negociar com chefes das Farc

Dois mediadores europeus tentamestabelecer contato com comandantes da guerrilha Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) a fim de negociar alibertação de reféns mantidos presos há anos pelo grupo,afirmou um membro do governo colombiano na segunda-feira. Um negociador francês e um suíço encontram-se na regiãoonde um importante comandante das Farc também estaria comoparte dos esforços europeus para ver concluído um acordo capazde garantir a libertação das vítimas, entre as quais afranco-colombiana Ingrid Betancourt e três norte-americanos. "O governo ofereceu todas as garantias possíveis a essamissão", disse o membro do governo, pedindo para não seridentificado em virtude da delicadeza do assunto. "Sabemos que isso está avançando." As Farc mantêm sob seu controle 40 reféns de peso políticoque desejam trocar por guerrilheiros presos. Mas o grupo exigiudo presidente colombiano, Alvaro Uribe, que retire seussoldados de uma área do tamanho da cidade de Nova York a fim deque sejam realizadas as negociações. Uribe, que mantém bons índices de popularidade internamentedevido à postura rígida que adotou diante dos rebeldes,recusa-se a aceitar tal condição. Mas ofereceu criar uma áreade segurança menor sob a supervisão de observadoresestrangeiros --dessa área seriam retirados todos os militares etodos os grupos armados. Betancourt, uma ex-candidata à Presidência da Colômbia quepossui dupla nacionalidade, foi sequestrada pelas Farc em 2002.A refém foi vista pela última vez em um vídeo gravado pelosrebeldes no final do ano passado. Nesse vídeo, Betancourtaparecia fragilizada e abatida. Os três norte-americanos, presentes na Colômbia a serviçodo Departamento de Estado dos EUA, foram capturados em 2003depois de o avião deles ter caído em um área de selva enquantoeles participavam de uma operação de combate ao narcotráfico. (Reportagem de Patrick Markey)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.