Médico colombiano nega ter atendido Ingrid Betancourt

Imprensa colombiana afirma que a ex-candidata foi levada em fevereiro para centro médico de El Capricho

Efe,

31 de março de 2008 | 01h54

O médico do povoado colombiano de El Capricho, Andrés Teherán, disse que não atendeu a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, seqüestrada pela guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) desde 2002 e que está muito doente. Veja também: França oferece avião para libertação de Ingrid BetancourtFrança receberá rebeldes das Farc, diz Álvaro UribeFrança tem avião na Guiana preparado para BetancourtConheça a tragetória de Ingrid Betancourt Ex-marido teme que acordo signifique morte de Betancourt Uribe autoriza troca de Ingrid por rebeldes das Farc Por dentro das Farc Entenda a crise   Histórico dos conflitos armados na região    Teherán declarou ao programa Noticias Uno por telefone neste domingo, 30, que não tinha atendido a franco-colombiana e anunciou que nas próximas horas divulgará um comunicado com sua versão completa dos fatos. Segundo o gerente do Seguro Social de Guaviare, Juvenal Morales, seu colega renunciou e foi embora do povoado porque se sentia pressionado pelos constantes pedidos por parte de membros do Exército colombiano, da Promotoria e da Polícia. Morales acrescentou que essas pressões sobre Teherán se deram a partir dos rumores que apontavam que a ex-candidata presidencial tinha sido atendida no centro médico de El Capricho, no departamento de Guaviare (sul). Versões da imprensa deste domingo na Colômbia dizem que Betancourt foi levada, em mau estado de saúde, no dia 21 de fevereiro ao centro médico de El Capricho. A ex-candidata, segundo testemunhos de ex-reféns das Farc, se acha em um precário estado de saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.