Menem é processado por encobrir investigações sobre atentado

Ações contra irmão do ex-presidente argentino e ex-juiz também foram confirmadas

Efe

22 de março de 2010 | 19h32

BUENOS AIRES - Um tribunal da comarca de Buenos Aires confirmou nesta segunda-feira, 22, o processo contra o ex-presidente da Argentina Carlos Menem (1989-1999) por suposto encobrimento da investigação do atentado contra um centro judaico em 1994 que matou 85 pessoas.

 

Além de Menem, a Câmara Federal confirmou as ações contra o seu irmão Munir Menem e o ex-juiz Juan José Galeano, que dirigiu as investigações do ataque terrorista durante uma década. Também foram confirmados os processos contra os ex-comissários Jorge Palacios e Carlos Castañeda, assim como contra os ex-funcionários do serviço secreto Hugo Anzorreguy e Juan Carlos Anchezar.

 

Todos os acusados haviam recorrido da medida ditada pelo juiz Ariel Lijo em outubro do ano passado. O magistrado considerou que eles "obstruíram a investigação da chamada pista síria" do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), cometido no dia 18 de julho de 1994.

 

Segundo as fontes, os processados são acusados de ter desviado a investigação para não comprometer o empresário de origem sírio-libanesa Alberto Kanoore Edul. Antes do atentado, Edul entrou em contato por telefone com o vendedor da caminhonete que foi usada como carro-bomba. O empresário não está entre os acusados e a causa principal, em mãos do juiz Rodolfo Canicoba Corral, está voltada para a 'pista iraniana'.

 

O ex-chefe de Estado e seu irmão foram processados por serem considerados "instigadores dos delitos de encobrimento, falsidade ideológica, violação de provas e abuso de autoridade". Um dia depois que Lijo anunciou as ações, o promotor Alberto Nisman pediu a prisão de Carlos Menem. No entanto, isto só irá acontecer se o Parlamento tirar previamente os privilégios do atual senador.

 

O atentado contra a Amia foi o segundo ataque terrorista contra judeus na Argentina. Em 1992, uma bomba explodiu em frente à embaixada de Israel em Buenos Aires e causou a morte de 29 pessoas. A comunidade judaica e a Justiça da Argentina atribuem ao Irã e ao grupo terrorista Hezbollah o planejamento e execução de ambos os atentados.

Tudo o que sabemos sobre:
MenemArgentinajustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.