Merkel apoiará Uribe em luta contra as drogas

Uribe explicou a Merkel um programa voltado para as famílias, que já tem cerca de 60 mil cadastradas

EFE,

18 de maio de 2008 | 00h51

A chanceler alemã, Angela Merkel, se comprometeu neste sábado, 17, com o presidente colombiano, Álvaro Uribe, em apoiar programas para a erradicação de cultivos ilícitos e para que as vítimas dos paramilitares possam ser reparadas. A chefe de Governo alemã disse, em entrevista coletiva conjunta com Uribe no Palácio de Nariño (sede presidencial), que seu país cooperará com equipes para que as vítimas dos delitos, especialmente dos esquadrões paramilitares, possam ter justiça. "Nós da Alemanha queremos apoiá-los e acompanhá-los neste caminho e dizer-lhes que a confiança em uma justiça independente é fundamental e por isso também apoiamos este sistema mediante equipes e formação para esclarecer delitos e permitir que as vítimas obtenham uma reparação", disse Merkel. Ao pedir ajuda do Governo alemão para combater o narcotráfico, Uribe explicou a Merkel um programa voltado para as famílias, que já tem cerca de 60.000 cadastradas. O presidente Uribe também disse que essas famílias, que antes estavam semeando coca, agora são "guardiães da floresta", ao mesmo tempo que disse que este ano espera-se que sejam erradicados uns 100.000 hectares de cultivos ilícitos. "Me parece um projeto interessante que tem o reconhecimento internacional. Eu fiz algumas perguntas ao presidente Uribe sobre como podemos garantir a sustentabilidade deste projeto. Talvez a Alemanha poderia desempenhar um papel importante na transferência do cultivo da droga para uma nova atividade", disse a chanceler. Merkel, na primeira visita de um chefe do Governo de Alemanha à Colômbia, acrescentou que com o apoio de seu país é possível que se "erradique o cultivo da droga a longo prazo". "Vamos examinar como podemos ajudar este projeto". Além disso, celebrou a assinatura de dois acordos econômicos, um para garantir o investimento alemão na Colômbia e outro para evitar a dupla tributação em exportações. "Estamos aqui para reconhecer tudo o que fez o país partindo de um ponto inicial muito difícil. Ainda não esgotamos o potencial de cooperação e me parece muito importante para a indústria alemã que aqui se dêem garantias pelo período de 20 anos e nossa delegação empresarial levará essa mensagem até a Alemanha para dizer que na Colômbia se pode investir muito bem", afirmou. Merkel foi à Colômbia acompanhada de uma delegação de 80 pessoas, integrada por parlamentares das diversas bancadas políticas, dois ministros e um grupo de empresários que querem fortalecer a presença econômica alemã no país. Após sua reunião com Uribe, Merkel recebeu das mãos do prefeito de Bogotá, Samuel Moreno, as chaves da cidade e foi declarada hóspede ilustre da capital colombiana. Depois retornou à sede do Governo para um jantar com o presidente colombiano. A chanceler alemã se reunirá amanhã em um hotel com representantes de organizações sindicais, eclesiásticas e de direitos humanos.

Tudo o que sabemos sobre:
URIBEMERKEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.