México condena cerco à embaixada brasileira em Honduras

País manifestou preocupação com a possibildade de um confronto a partir da postura da embaixada do Brasil

Efe

24 de setembro de 2009 | 04h24

México condenou "com firmeza" a situação em que se encontra a embaixada do Brasil em Honduras, onde se refugia o deposto presidente hondurenho, Manuel Zelaya, e assegurou que não favorece a "um clima propício para a reconciliação" e "aproxima o país de um confronto".

 

 

Veja também:

linkLula quer reunião com Obama sobre crise em Honduras

linkRepórter do 'Estado' relata tensão para chegar a Honduras

linkCrise hondurenha expõe tendência da diplomacia brasileira

link Entrevista: Zelaya diz que espera solução pacífica para crise

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse em Honduras

 

O Governo mexicano expressou, através de um comunicado da Chancelaria, "sua séria preocupação pelo aumento da tensão" em Honduras, país ao que qualificou como "irmão". Além disso, reiterou sua convicção que o Acordo de San José, proposto pelo presidente da Costa Rica, Óscar Arias, em seu trabalho de mediador na crise hondurenha, "constitui uma boa base para alcançar uma solução duradoura do conflito, que resulte não só na restituição do presidente Zelaya, mas também na construção de condições de estabilidade e governabilidade".

 

O México também reafirmou sua convicção "que o respeito à soberania hondurenha, aos direitos humanos de seus cidadãos e ao direito internacional são elementos indispensáveis para o entendimento", e reiterou sua disposição para colaborar na construção "de pontes e mecanismos de solução ao conflito".

Para o Executivo, é importante que todos os setores da sociedade hondurenha mantenham "um entorno de paz propício para a recuperação da ordem democrático".

 

O Governo mexicano, que controla a secretaria pro tempore do Grupo do Rio, liderou na terça-feira uma reunião ministerial extraordinária realizada em Nova York, ao término da qual se adotou uma declaração conjunta que exige ao Governo interino de Honduras respeitar a integridade de Zelaya e da embaixada do Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
MéxicoBrasilHonduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.