México critica operação colombiana em território do Equador

Presidente Felipe Calderón também pede que os dois países resolvam o problema pacificamente

REUTERS

05 de março de 2008 | 10h02

O presidente mexicano, Felipe Calderón, uniu-se na quarta-feira ao coro internacional que condena a operação militar colombiana em território equatoriano. Ele também pediu que os dois países resolvam o problema pacificamente. "Concordamos com a rejeição de qualquer ação que constitua em violação da soberania territorial", disse Calderón após encontro com o presidente de El Salvador, Tony Saca, no qual os dois líderes discutiram a crise. A Colômbia bombardeou um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano, levando a Venezuela, aliada do Equador, a alertar que o incidente poderia deflagrar uma guerra na região. Tanto Equador quanto Venezuela mobilizaram tropas na fronteira com a Colômbia. As críticas mexicanas à Colômbia vieram depois de o Brasil condenar o ataque na segunda-feira e pedir que Bogotá ofereça desculpas públicas. Calderón disse que o México tentará ajudar a Colômbia e o Equador a resolverem a crise. "Não pouparemos esforços para que os governos colombiano e equatoriano normalizem suas relações o mais rápido possível por meio do diálogo e dos canais diplomáticos", disse Calderón. Segundo a agência de notícias mexicana Notimex, Calderón se reunirá com Uribe durante uma cúpula regional a ser realizada na República Dominicana entre quinta e sexta-feira. Fontes do governo dominicano disseram que tanto o presidente venezuelano, Hugo Chávez, quanto o equatoriano, Rafael Correa devem comparecer ao encontro. (Reportagem de Alberto Barrera)

Tudo o que sabemos sobre:
MEXICOEQUADORCRITICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.