México detém sacerdote e outros 6 por pedofilia

Entre os detidos, há ainda um empregado da Secretaria de Relações Exteriores (SRE) do México

Efe,

23 de abril de 2009 | 05h42

Sete supostos pedófilos, um deles sacerdote, foram detidos pela Polícia mexicana, que descobriu uma rede de pornografia infantil na internet que divulgava material contendo "cenas de sexo explícito com crianças de 0 a 10 anos", informou na quarta-feira, 22, a Procuradoria da capital.

 

Sem fornecer mais detalhes, a Procuradoria Geral de Justiça do Distrito Federal (PGJDF) indicou que um dos sete detidos é um "sacerdote eclesiástico de Xalapa", capital de Veracruz (leste).

 

A investigação começou em março, quando pessoal da PGJDF descobriu um e-mail com imagens de conteúdo pornográfico nas quais supostamente menores de idade sofriam abusos sexuais.

 

Este correio eletrônico foi rastreado e se descobriu que tinha origem na Cidade do México.

 

A Unidade de Investigação Cibernética acessou uma página relacionada ao e-mail e registrou oito arquivos "com alto conteúdo de cenas de sexo explícito de adultos com meninas e meninos de 0 a 10 anos (...), segundo estudos periciais de antropologia legista", disse a PGJDF.

 

A Polícia deteve Luis Alejandro Vergara, de 32 anos, em sua casa, onde encontrou um vasto material de conteúdo pornográfico envolvendo crianças. Vergara, que confessou os crimes de violação e abuso sexual, trabalha na Secretaria de Relações Exteriores (SRE) do México.

 

A Polícia estabeleceu que Vergara tinha conexões em cinco estados do país, onde foram detidos Miguel Ángel Rodríguez Acosta (Hidalgo), Miguel Ángel Sánchez García (Puebla), Luis Abraham Portilla Ramírez (Aguascalientes), Edmundo Jesús Martínez Niño (Iucatã) e Rafael Muñiz López e seu irmão Francisco (Veracruz).

 

Um destes dois últimos é sacerdote, de acordo com o comunicado oficial da Procuradoria, que continua com as investigações.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofiliaMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.