México entra em investigação de ataque às Farc no Equador

O Equador e o México estão investigandoconjuntamente a possível morte de até dez mexicanos,possivelmente universitários e professores, no ataquecolombiano do fim de semana contra um acampamento da guerrilhaFarc em território equatoriano, no incidente que desencadeouuma crise diplomática no norte da América do Sul. A jovem estudante mexicana Lucia Morett ficou ferida noataque e está sob custódia num hospital militar do Equador. Opai dela disse à imprensa mexicana que a moça estudadramaturgia e fazia um trabalho acadêmico na América do Sul. A ação militar colombiana resultou na morte de váriosguerrilheiros, inclusive o dirigente rebelde Raúl Reyes, eenfureceu o governo do Equador e sua aliada Venezuela, queenviaram tropas às fronteiras com a Colômbia e romperamrelações com Bogotá. O ministro equatoriano da Segurança, Gustavo Larrea, dissena quinta-feira a jornalistas que "há chances de que alguns doscorpos [achados no acampamento] sejam de mexicanos". Segundo ele, cinco famílias mexicanas trabalham com oEquador para tentar identificar os corpos. O ataque deixou 23mortos. A chancelaria mexicana também disse estar colaborando comQuito para tentar identificar a presença de outros mexicanosalém de Morett no acampamento. A presença dela criou especulações no México e na Colômbiade que as Farc teriam uma rede de apoio mexicana. Outros,porém, dão conta de que os mexicanos que podem ter morrido noincidente estavam apenas estudando as Farc. A Universidade Nacional Autônoma do México, a maiorinstituição pública de ensino superior do país, disse em notaque Morett estudava ali e que há preocupação de que outraspessoas da universidade tenham morrido. Morett é uma das três mulheres resgatadas por soldadosequatorianos na clareira onde ocorreu o ataque. Correa já buscou apoio de Brasil, Peru e México paracondenar a Colômbia pelo incidente em fóruns internacionais. A Colômbia acusa o Equador de ter sido tolerante com apresença de militantes das Farc em seu território. (Reportagem de Alexandra Valencia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.