México prende suspeito do massacre indígena de Chiapas de 1997

Um dos suspeitos de ser olíder de um massacre indígena de 1997 no estado mexicano ao sulde Chiapas foi detido no sábado, no décimo aniversário docrime, que ainda não foi esclarecido. O governo de Chiapas disse em um comunicado que foi detidoAntonio Santiz López, que já havia sido preso antes, horasdepois de ser designado um fiscal especial para o caso. Um grupo de 45 indígenas, entre eles mulheres grávidas ecrianças, foi atacado com tiros, segundo versões de gruposparamilitares que disseram que eles eram simpatizantes doExército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), que havia selevantado contra o governo em 1994.Outras versões indicam que os índios estavam em um territóriode confronto entre os paramilitares e os rebeles, e que setratou de uma vingança pela morte de Agustín Vázquezsupostamente nas mãos de zapatistas. Dezenas de pessoas estão detidas desde 1997 sem sentença.Alguns funcionários públicos supostamente envolvidos estiveramdetidos por alguns anos e logo foram liberados sem oesclarecimento do caso. O massacre demonstra a ineficiência e impunidade do sistemade Justiça do México, que o atual governo trata de mudar comuma reforma constitucional. (Por Anahí Rama)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.