Micheletti afirma que deixa governo hondurenho com sucesso

'Abram as portas a este pequeno país, que não fez mais do que defender sua democracia', pede ex-presidente

Efe,

27 de janeiro de 2010 | 16h54

O ex-presidente de fato de Honduras Roberto Micheletti  disse nesta quarta-feira, 27, que conseguiu terminar seu governo "com sucesso". Enquanto o Estádio Nacional recebia a posse de Lobo, Micheletti fez um último discurso ao final de uma missa de ação de graças. Seu último ato executivo foi retirar Honduras da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba).

Veja também:

link Estadia de Zelaya na embaixada reduziu violência, diz Amorim

"Hoje, em nossos últimos momentos de Governo, saímos todos de cabeça erguida", acrescentou Micheletti diante de membros de sua Administração, políticos e empresários que compareceram à cerimônia, na qual reapareceu em público após deixar a Casa Presidencial na quinta-feira passada.

Micheletti, que se negou a renunciar à Presidência apesar das pressões da comunidade internacional, agradeceu aos hondurenhos que apoiaram seu governo, "valentes que não tiveram medo de nada e defenderam sua pátria e sua Constituição" frente aos que "não acreditam na democracia".

"Aos países vizinhos, nossos irmãos, lhes peço, como a todos os do mundo inteiro: abram as portas a este pequeno país, que não fez mais do que defender sua democracia", afirmou.

Micheletti também pediu aos hondurenhos para que deem "tempo para avaliar a atuação do presidente Lobo", pois "a situação não é fácil".

No entanto, também alertou Lobo de que "há uma Constituição da República que é preciso cumprir".

Em 28 de junho, Micheletti foi designado como presidente pelo Congresso depois da derrubada de Manuel Zelaya, que pretendia realizar no mesmo dia uma consulta popular sobre a promoção de uma Assembleia Constituinte.

Tudo o que sabemos sobre:
Michelettigolpe de EstadoHondurasLobo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.