Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Micheletti diz que não haverá regra antes de eleições

Presidente de fato afirmou a preocupação com a chegada constante de aviões de bandeira venezuelana

Efe

28 de outubro de 2009 | 04h48

O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, afirmou na última terça-feira, 27, que não haverá regras para a crise política no país antes das eleições de 29 de novembro próximo, e reiterou que o deposto Manuel Zelaya não será restituído no poder.

"Não vamos regular absolutamente nada, nem o diálogo nem nada, se não for posterior às eleições", afirmou Micheletti em coletiva de imprensa.

"Tudo deve ir daqui em adiante (vinculado com) o tema das eleições", acrescentou, em relação ao pleito que a comunidade internacional já advertiu que não reconhecerá caso Zelaya não volte ao poder. O líder golpista disse que no fim de semana passado conversou por telefone com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

 

Segundo ele, na conversa foi falado de, entre outros assuntos, as eleições, o diálogo com os representantes de Zelaya e a visita do secretário de Estado adjunto para a América Latina americano, Thomas Shannon, que chegará nesta quarta a Tegucigalpa.

  

Michelleti disse que colocou a Hillary a possibilidade de deixar a Presidência se Zelaya desistir de voltar ao poder, como tinha sugerido na sexta-feira passada a uma comissão do deposto presidente, que rejeitou a oferta.

  

O presidente de fato afirmou também que expôs à chefe da diplomacia americana sua preocupação com a constante chegada de pequenos aviões de bandeira venezuelana com cargas de droga a Honduras e pediu a cooperação dos EUA para enfrentar isso.

  

"É importante que o Exército americano nos dê espaço para poder utilizar os radares deles e podermos detectar (as aeronaves)", manifestou.

  

Segundo Micheletti, dos 40 aviões que chegaram a Honduras nos últimos meses, 38 eram de bandera venezuelana, um colombiana e outro brasileira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.