Reuters
Reuters

Micheletti é um 'gorila e deverá pagar' por traição, diz Zelaya

Presidente deposto de Honduras afirma que líder de facto representa regime que violou direitos humanos

Efe,

08 de julho de 2009 | 16h28

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, chamou nesta quarta-feira, 8, Roberto Micheletti, nomeado em seu lugar após o golpe do último dia 28, de "gorila" e assegurou que o novo chefe de Estado hondurenho deverá "pagar" por sua traição.

 

Veja também:

linkZelaya chega à Costa Rica nesta 4ª para discutir crise

linkLula pede resposta dura contra golpe de Estado

som Podcast: Gustavo Chacra fala sobre as negociações

mais imagens Imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

"A traição é um crime que não prescreve", afirmou Zelaya em declarações a um canal chileno de televisão, nas quais também reiterou que não negociará com os golpistas nas reuniões desta quinta-feira na Costa Rica.

 

Mesmo após confirmar que participará das reuniões, que contarão com a mediação do presidente da Costa Rica, Oscar Arias, o líder deposto disse que não negociará com os que tomaram o poder em seu país.

 

Segundo Zelaya, Roberto Micheletti representa um regime que deu um golpe de Estado com armas e que cometeu crimes como "assassinatos, violações aos direitos humanos e especialmente a traição."

 

O presidente deposto negou ter violado a Constituição e as leis, como disseram os novos governantes de Honduras para justificar o golpe contra seu governo. "Se meu crime é lutar pela justiça, me declaro culpado", disse Zelaya.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.