Micheletti pede que Zelaya mantenha silêncio perante eleições

Líder de facto pede que deposto não tente influenciar o povo hondurenho e respeite a realização do pleito

Efe,

18 Novembro 2009 | 08h18

O presidente do governo de facto de Honduras, Roberto Micheletti, pediu na terça-feira, 17, ao deposto líder do país, Manuel Zelaya, que mantenha "prudente silêncio" perante as próximas eleições e a reunião do Parlamento que debaterá sobre sua restituição. Em declaração escrita divulgada pela Casa Presidencial, Micheletti também reiterou "seu compromisso de cumprir letra a letra, ponto por ponto, o Acordo Tegucigalpa-San José" assinado com delegados de Zelaya no final de outubro na busca de resolver a crise política causada pela derrocada de 28 de junho.

 

"Longe de incitar à violência e ameaçar o processo eleitoral e seus resultados, insto ao senhor José Manuel Zelaya Rosales que reflita como hondurenho e convido-o a que antecipe um prudente silêncio diante do processo eleitoral e a votação do Congresso, daqui a 2 de dezembro", indicou Micheletti. O presidente golpista justifica que o pedido é "em prol de que o povo hondurenho tenha a oportunidade de raciocinar seu voto" no pleito de 29 de novembro.

 

O presidente do Parlamento, Alfredo Saavedra, anunciou que o órgão se reunirá dia 2 de dezembro para adotar uma decisão sobre a restituição ou não de Zelaya. Na opinião de Micheletti, o anúncio dessa reunião, que acontecerá após o pleito, "mostra o compromisso assumido pelos demais poderes do Estado" em contribuir para "a solução da atual conjuntura política".

 

"É justo demandar à parte que descumpriu que faça o mesmo, consequente com o compromisso que adquirimos desde 30 de outubro, data em que se assinou o acordo", ressaltou. "Da mesma maneira, este tempo permitirá a todos sanar as feridas produzidas pelo ressentimento, das quais a única vítima foi nossa sociedade", disse o líder golpista na declaração.

Mais conteúdo sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.