Milhares de manifestantes fazem 4 policiais reféns no Peru

Grupo reivindica mudanças na distribuição de tributos cobrados juntos a mineradoras no sul do país

Efe,

29 de outubro de 2008 | 01h06

Milhares de manifestantes de Moquegua tomaram quatro policiais como reféns nas imediações de Puente Montalvo, informaram à Agência Efe fontes policiais. O grupo reivindica mudanças na distribuição de tributos cobrados junto a mineradoras.   Um porta-voz da Polícia chegou a declarar que os manifestantes queriam "atear fogo" nos reféns. As últimas informações dão conta de que estes serão levados para a catedral de Moquegua, onde teria início um processo de negociação com as autoridades.   A fonte policial disse mais cedo que ignorava quantos feridos há entre os policiais e manifestantes. No entanto, após um forte confronto entre as partes, que provocou o recuo da Polícia, foi possível contabilizar cerca de 40 civis feridos, além de um número não determinado de agentes com fraturas, cortes na cabeça e diversos hematomas.   O correspondente do canal "N" da TV local noticiou que um líder dos agricultores, identificado como Sabat Bautista Coaguila, foi atingido por um tiro no estômago e levado para Tacna.   A população de Moquegua, que fica a cerca de 1.200 quilômetros de Lima, iniciou uma greve por tempo indeterminado nesta terça-feira, como medida para exigir o cumprimento de uma ata assinada com o ex-primeiro-ministro Jorge del Castillo após o protesto de junho passado.   Os habitantes de Moquegua pedem uma divisão mais igualitária dos tributos sobre a mineração, ao considerar que a vizinha Tacna é mais beneficiada pelos impostos que o Estado cobra da mineradora Southern Cooper, de capital mexicano e que explora cobre em ambas as regiões.   A taxa que gerou os protestos é a porcentagem recebida pelas regiões peruanas das rendas obtidas pelo Estado a partir da exploração dos recursos mineiros.

Tudo o que sabemos sobre:
Perumanifestaçãoreféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.