Milhares marcham na Bolívia em apoio a Evo Morales

Milhares de simpatizantes do presidenteboliviano, Evo Morales, fizeram na quarta-feira uma passeatanas ruas de La Paz, dois dias depois de a oposição declarar"desobediência civil" nas regiões que governa. Os manifestantes, na maioria indígenas aimarás da cidade deEl Alto, exigiram o fechamento do Senado, controlado pelaoposição direitista, que ampliou sua pressão contra as reformaspromovidas por Morales nos setores agrícola e mineral. A oposição governa cinco dos nove Departamentos do país,para os quais exige mais autonomia e mais participação naarrecadação pública. "Estamos incomodados porque os senadores da oposição nãotrabalham e só se dedicam a prejudicar as pessoas que maisprecisam", disse o dirigente cívico Jorge Choque à agênciaestatal de notícias ABI. Os governadores da oposição convocaram na segunda-feira auma "resistência democrática que inclui a persuasão e oprotesto, a desobediência civil e a intervenção não violenta[em órgãos públicos]." Morales reagiu na terça-feira qualificando a oposição de"sediciosa". Lançou também críticas ao Senado por não ratificarcerca de cem leis aprovadas na Câmara, onde o governo tem amplamaioria. Os manifestantes de La Paz também se opõem à proposta daoposição de transferir a capital para Sucre, onde funcionaatualmente a Assembléia Constituinte -- parada justamente porcausa da disputa sobre qual será a capital boliviana. "A partir de hoje vamos estar em constante mobilização atéque se conclua a Assembléia Constituinte. Amanhã a esta horaestaremos em Sucre defendendo a Assembléia Constituinte", disseo dirigente comunitário Nazario Ramírez, de El Alto, à rádioErbol. Centenas de camponeses que bloqueiam os acessos a Sucre nosúltimos dias devem aderir à manifestação. A Constituinte foi um das principais promessas de campanhade Morales, primeiro presidente indígena da Bolívia, que emjaneiro completa dois anos no cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.