Militares colombianos tomaram aulas de teatro antes de resgate

Funcionários da inteligência colombianatomaram aulas de teatro em parte dos preparativos para oresgate de Ingrid Betancourt e de outros 14 reféns, colocandocamisetas de Che Guevara e fingindo serem esquerdistasdispostos a ajudarem os insurgentes. O líder da missão de resgate posava como membro italiano deum grupo fictício, oferecendo transporte para os reféns porhelicóptero para uma reunião com um importante chefe daguerrilha. As semanas de ensaios que ele fez -- junto de outrosagentes que atuaram como jornalistas e médicos -- o tornaramtão convincente que ele persuadiu um insurgente a entregar suapistola antes de entrar a bordo. O pseudo repórter e o falso cameraman irritaram ocomandante da unidade da guerrilha, que se recusou a dar umaentrevista na selva apesar dos pedidos. Se a interpretação tivesse sido ruim, os agentesarriscariam mais do que críticas negativas. Os guerrilheirospoderiam tê-los sequestrado ou fazer pior caso descobrissem afarsa. O ministro da Defesa, Manuel Santos, disse a jornalistas nasexta-feira que os militares estudaram bastante filmes delibertações de reféns neste ano para determinar o quantopoderiam fazer para os guerrilheiros cooperarem com o seu planosecreto. "Isso foi mais do que uma operação de inteligência do queuma operação militar", disse ele, ao apresentar o vídeo daoperação. Os helicópteros foram pintados de branco e vermelho paraparecer os utilizados em missões anteriores lideradas porgrupos humanitários. Já no ar, os dois rebeldes a bordo foram rendidos eamarrados enquanto os reféns, incluindo três norte-americanos e11 soldados e policiais colombianos, ouviram que estavamlivres. O vídeo mostra os reféns de mãos atadas com algemas deplástico no momento em que com irritação entravam na aeronave. A idéia de algemar os reféns veio dos militares, para obtercredibilidade com os rebeldes. Um agente de inteligência agiucomo árabe e outro como australiano, para manter uma aparênciainternacional para o grupo. Um refém norte-americano, aparentemente Keith Stansell,irritado por estar sendo algemado, se inclinou para a câmara egritou antes de entrar na aeronave. Ele não sabia que estava aminutos de ser libertado dos acampamentos onde passou anos. Ele foi capturado junto de Thomas Howes e Marc Gonsalvesdepois a aeronave onde estavam se acidentar na selva do sul daColômbia durante uma missão anti-drogas em 2003. Eles e Betancourt, uma franco-colombiana capturada durantesua campanha presidencial em 2002, eram os principais atrativosdos rebeldes para uma possível troca de prisioneiros com ogoverno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.